Pelourinho de Sabugosa

IPA.00004262
Portugal, Viseu, Tondela, União das freguesias de São Miguel do Outeiro e Sabugosa
 
Pelourinho seiscentista, de bola, com soco quadrangular de quatro degraus, com coluna cilíndrica e capitel bastante elevado, encimado por pequena calote semiesférica e bola. É idêntico ao de Canas de Sabugosa (v. PT021821030002). A calote com o esferóide terminal é uma peça amovível, em cuja parte côncava entra o extremo da coluna.
Número IPA Antigo: PT021821170004
 
Registo visualizado 93 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição monástica  Tipo bola

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, composta por soco quadrangular de quatro degraus, existindo em cada canto e até à altura dos dois primeiros, um marco cilíndrico. Sobre o primeiro degrau e em cada ângulo, um cubo liga a quina do segundo degrau aos marcos cilíndricos. Coluna de fuste cilíndrico com base formada por soco quadrado e anel rebordante, tendo abertos dois furos redondos, no mesmo alinhamento vertical. Neles teriam estado engastados os ferros de sujeição e surge a inscrição de "1640" *1. Capitel delimitado inferiormente por anel que serve de base ao corpo de área crescente, donde emergem quatro pendentes cantonais, salientes, que se dilatam até aos ângulos do listel quadrado e plano, de superfície destacada, que superiormente se adelgaça no troço cilíndrico que constitui o remate, sobrepujado por uma calote esférica oca, encimada por uma esfera achatada.

Acessos

EN 2, ao Km 190,2, para Sabugosa, em frente, a 1,1 Km, no Largo do Pelourinho. WGS84 (graus decimais) lat.: 40.572803; long.: -8.029738

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano, em superfície plana, destacado, isolado, insere-se em pequeno largo junto à via pública.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 17

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1133, 20 Março - foi coutada ao Mosteiro do Lorvão, juntamente com Treixedo e Midões; 1514, 28 Junho - concessão de foral novo por D. Manuel I; 1640 - em duas faces do capitel estão insculpidas as datas de 1640 e 1610, que terá a ver com a sua data de edificação; 1708 - a povoação, com 200 vizinhos, é da Coroa; tem juiz ordinário, vereadores, procurador do concelho, escrivão da câmara; 1732, 08 Agosto - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco, Alexandre Ferreira Dinis, é referido que a povoação é do rei, com juiz ordinário, que exerce toda a justiça, um vereador e um procurador do concelho; 1836 - extinção do concelho; 1939 - intervenção no pelourinho.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

CHAVES, Luís, Os Pelourinhos - Elementos para o seu Catálogo Geral, Lisboa, 1939; COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza, vol. II, Lisboa, Valentim da Costa Deslandes, 1708; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; REAL, Mário Guedes, Revista da Beira Alta, vol. VII, nº. III, 1948; SOUSA, Júlio Rocha e, Pelourinho do Distrito de Viseu, Viseu, 1998.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID; DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 42, n.º 383, fl. 179-183)

Intervenção Realizada

1939 - remoção do local primitivo; restauro da plataforma com a execução de novos degraus (aproveitando algumas das pedras do antigo), dos marcos cilíndricos e dos cubos.

Observações

*1 - teria sido o avô do responsável pela mudança de local e restauro do monumento (Manuel Bernardo de Sabugosa, que, ao mandar avivar as datas e como as da face oriental eram praticamente ilegíveis, julgou interpretar 1610 e assim o mandou esculpir.

Autor e Data

Madeira Portugal 1992 / João Carvalho 1997

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login