Cruzeiro de São Manços

IPA.00003940
Portugal, Évora, Évora, União das freguesias de São Manços e São Vicente do Pigeiro
 
Arquitectura religiosa, gótica. Cruzeiro de mármore.
Número IPA Antigo: PT040705080055
 
Registo visualizado 61 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Religioso  Cruzeiro  Cruzeiro  Tipo cruz

Descrição

Sobre um fuste toscano de mármore branco de Estremoz, uma cruz de Aviz, com artísticos lanceolados em flor-de-liz no topo de braços prismáticos hexaédricos, assenta sobre elegante e discreto pomo prismático, de seis faces, em torno do qual se desenvolve uma epígrafe em caracteres góticos angulosos, com algumas abreviaturas: ESTA CRUZ MANDOU FAZER O MESTRE DE AVIS. O conjunto repousa sobre o fuste de coluna setecentista de função indeterminada, com várias ordens de bocéis, directamente afixo ao solo.

Acessos

Adro da Igreja Matriz de São Manços (v. PT040705080065)

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 42.007, DG, 1.ª série, n.º 265 de 06 dezembro 1958

Enquadramento

Urbano, em planície de cota estável, isolado e em destaque no adro da Igreja Matriz (v. PT04070508065).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: cruzeiro

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 14

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

Séc. 14 - provável data de construção segundo estilo e epígrafe da cruz.

Dados Técnicos

Estrutura autónoma

Materiais

Mármore de São Brissos, no elemento mais nobre e mais arcaico do monumento, mármore branco de Estremoz nos restantes elementos.

Bibliografia

ESPANCA, Túlio, Património Artístico do Concelho de Évora, Évora, 1957. ESPANCA, Túlio, Distrito de Évora, Concelho de Évora, in Inventário Artístico de Portugal, VI, SNBA, Lisboa, 1966.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Livro de Cruzeiros e Pelourinhos, fotos P19745 e P19746

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

Observações

O monumento, progressivamente danificado nos últimos anos por sucessivos acidentes, resulta de composição de vários elementos de épocas diversas; encontra-se actualmente apeado na Sacristia da Igreja e desmembrado, após acidente de viação. O fuste está quebrado. O Escultor Pedro Fazenda, após consulta pelo Director dos serviços regionais da DGEMN tendo em vista o reparo, propôs a sua substituição por uma réplica e depósito do original no Museu de Évora. O processo esteve em 1993, em estudo na Direcção Regional do Sul da DGEMN. Há alguns anos, aquando a primeira reposição, foram-lhe suprimidos os três degraus ornamentais que lhe haviam sido adicionadas para melhor estabilidade e protecção. No caso de ser reconstituído no local, seria útil edificar um pequeno canteiro ajardinado de protecção, repondo os degraus para o elevarem e tornarem menos exposto a acidentes

Autor e Data

Manuel Branco 1993

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login