Penedo da Chieira / Penedo de Granito com Motivos Insculturados

IPA.00003745
Portugal, Viseu, Cinfães, Cinfães
 
Penedo com insculturas de carácter religioso e profano, e legendas epigráficas. Edifício romano de planta rectangular, com vários compartimentos, provavelmente tratar-se-ia de um armazém de apoio às actividades agrícolas.
Número IPA Antigo: PT011804030007
 
Registo visualizado 169 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Religioso  Santuário rupestre    

Descrição

PENEDO de proporções ciclópicas, aflorando no declive, com as insculturas, principalmente, na face orientada a E., constituídas por um conjunto variado de altos relevos, um deles, figurando uma tríade encerrada numa edícula, outros representando motivos geométricos, órgãos humanos e artefactos de uso comum. A edícula de arco canopial, contem no seu interior três figuras, dois adultos e uma criança. A que parece ser a figura masculina, possui um porte maior e veste saio comprido e cinto, segurando um objecto que se supõe ser um livro. A criança com veste abaixo dos joelhos segura a mão da figura anterior e o braço da que se encontra à sua esquerda. A última figura veste saio curto, e segura provavelmente um báculo, encontrando-se com a cabeça coberta por um chapéu. A tríade repousa em base epigrafada de leitura praticamente imperceptível. Próximo desta, surge um pequeno nicho com imagem que se parece identificar com a Virgem. Em plano inferior, uma legenda epigráfica de caracteres de difícil leitura e sob ela forma cónica que entrelaça motivo não identificado. Em plano inferior e à esquerda, surge figura de farta cabeleira que segura um objecto cónico e com a outra mão algo de forma circular com dois círculos concêntricos, que poderá ser um pão. Separado do conjunto mas no mesmo bloco, outra legenda epigráfica coberta por vegetação, bem como formas circulares concêntricas. ESTAÇÃO ARQUEOLÓGICA: Edifício de planta rectangular, com três compartimentos contíguos, onde foram encontrados muitos fragmentos de dólio e alguma ferramenta. Possui pavimento em barro calcado com cerâmica, tendo-se verificado ao nível do piso, três áreas de fogos, uma em cada compartimento; o que poderá indicar tratar-se de um espaço de armazenamento, talvez de suporte a uma exploração agrícola.

Acessos

EN 222, ao Km 82,5 por caminho municipal, no declive superior da Quinta da Chieira, a 20 m a N. e na margem esquerda do caminho que vai de Cidadelha a Ruivas, numa zona de plataformas sobranceiras à foz do Bestança e ao curso do rio Douro, com grande interesse paisagístico

Protecção

Categoria: IM - Interesse Municipal, Decreto n.º 95/78, DR, 1.ª série, n.º 210 de 12 setembro 1978

Enquadramento

Rural, isolado, a meia encosta, implantado na propriedade da Quinta da Chieira, em zona florestal densamente arborizada; na proximidade, a uma quota mais baixa, surge um conjunto de ruínas de época romana que ocupa aproximadamente uma extensão de 8 m, no sentido N. / S. e de 3 m no sentido E. / O., numa área aplanada, relvada e pontuada por árvores. Na proximidade do penedo, existe uma galeria subterrânea, onde se encontram gravações análogas inscritas no saibro granítico.

Descrição Complementar

INSCRIÇÃO: MORGADO DO DESTERRO.

Utilização Inicial

Religiosa: santuário rupestre

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Época romana / Séc. 13 / 14 (conjectural) / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Época romana - construção de edifício romano; séc. 13 - 14 - data provável da execução das insculturas; séc. 19 - grande parte das inscrições no penedo foram realizadas por eremita.

Dados Técnicos

Estrutura monólita; paredes autoportantes.

Materiais

Penedo de granito; estrutura do edifício romano em granito; pavimento em barro calcado e endurecido com cerâmica.

Bibliografia

Património Arquitectónico e Arqueológico Classificado do Distrito de Viseu, Lisboa, 1993 (*1); PINHO, Luís M. Silva, PEREIRA, A. S., Primeira campanha de escavações na estação arqueológica da Chieira, Terras de Serpa Pinto, 7, Cinfães, 1997; PINHO, Luís M. Silva, Património Arqueológico do Vale Bestança, Associação para a Defesa do Vale do Bestança, 1997; PINHO, Luís M. Silva, Antes de Cinfães: da pré-história à idade média, Câmara Municipal de Cinfães.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

IPA: 1995 - foi realizada uma sondagem que pôs parcialmente a descoberto uma estrutura de funções desconhecidas, que apresenta muros, ao nível dos alicerces; foi detectada ainda no interior uma possível sepultura de incineração; 1996 - continuação da sondagem anterior, com a definição dos alicerces da construção romana, mas sem conseguir a sua libertação completa; 1997 - limpeza da vegetação da área a escavar e da zona anteriormente escavada; procedeu-se paralelamente à consolidação dos elementos pétreos que ofereciam menor estabilidade e à definição dos alicerces da construção romana identificada.

Observações

*1 - refere a datação como do séc. 18 e como sendo uma Sagrada Família; possibilidade de existência de vestígios de policromia no penedo; na proximidade do penedo, existe uma galeria subterrânea, onde se encontram gravações análogas inscritas no saibro granítico.

Autor e Data

João Carvalho 1998

Actualização

Sónia Basto 2007
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login