Anta de Mamaltar de Vale de Fachas

IPA.00003672
Portugal, Viseu, Viseu, Rio de Loba
 
Dólmen de câmara poligonal e corredor desenvolvido, constituído por vários esteios e lajes de cobertura. Anta fragmentada e incompleta, com corredor que alarga e alteia à medida que nos vamos aproximando da câmara. Existem esteios insculturados e três tinham pintura, de que hoje não restam vestígios.
Número IPA Antigo: PT021823230019
 
Registo visualizado 1217 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Funerário  Anta / Mamoa    

Descrição

Câmara poligonal (decagonal) com cerca de 2,5 x 1,5 metros, e constituída por 8 esteios verticais inclinados para o interior. Corredor semi destruído orientado no sentido NO. / SE., formado por 6 esteios do lado esquerdo para a câmara e 5 do outro, com 3 lajes de cobertura, uma delas com cova esférica na cobertura (fossete); possui mamoa e alguns dos esteios são insculturados.

Acessos

EN 229 Viseu - Sátão, a 5 Km. a NE., de Viseu, no lugar de Vale de Fachas, em caminho rural de muito difícil acesso, a cerca de 50 m à esquerda, antes do caminho rural que divide a freguesia de Mundão

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto de 16-06-1910, DG, 1.ª série, n.º 136 de 23 junho 1910

Enquadramento

Rural em elevação artificial, rodeada de zona florestal de pinheiro bravo, em clareira.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Funerária: anta / mamoa

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Terreno baldio

Época Construção

Época megalítica

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

2900 a.C. - 2640 a.C. - provável edificação; 1912 - exploração arqueológica efectuada por José Coelho *1; 1933, 30 novembro - retificação da designação da classificação de 1910, que refere Anta de Mamaltar, sendo acrescentado Anta de Mamaltar de Vale de Fachas, pelo Decreto n.º 45/93, DR, 1.ª série-B, n.º 280.

Dados Técnicos

Não aplicável.

Materiais

Granito.

Bibliografia

COELHO, José Mamaltar de Vale de Fachas, Famalicão, 1912; COELHO, José, Memórias de Viseu, Viseu, 1941; TAVARES, António Augusto, Expressões do Megalitismo nas Beiras, Viseu, 1979; VAZ, João L. Inês, Roteiro Arqueológico do Concelho de Viseu, Viseu, 1987; PEDRO, Ivone, VAZ, João L Inês, ADOLFO, Jorge, Roteiro Arqueológico da Região de Turismo Dão Lafões, Viseu, 1994; MOITA, Irisalva, Características Predominantes do Grupo Dolménico da Beira Alta, Lisboa, 1966; ALMEIDA, José António Ferreira de [coord.], Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1980.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

Observações

*1 - da exploração arqueológica recolheu-se como espólio vasos cerâmicos, um esférico e outro em forma de calote esférica, lâminas de sílex, machados de pedra polida, pedra de amolar, pontas de seta; de destacar uma placa-ídolo de xisto pintada a vermelho, hoje na Colecção Arqueológica Dr. José Coelho. *2 - o Sr. Presidente da Junta está receptivo à sua recuperação.

Autor e Data

João Carvalho 1996

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login