Fábrica de Cabos Eléctricos Diogo de Ávila / Edifício Torreado da Fábrica dos Cabos de Ávila

IPA.00035888
Portugal, Lisboa, Amadora, Alfragide
 
Edifício projetado por Edmundo Tavares em 1952 e construído em meados do século 20 para fábrica de cabos elétricos. A presenta uma planta poligonal resultante da articulação longitodinal de três corpos retangulares, que acompanham o declive do terreno, com cobertura maioritariamente em terraço, marcados por fortes linhas horizontais conformadas pela modelação ritmada das janelas. O edifício de análises químicas, primeiro e segundo corpos, é aquele onde o arquitecto Edmundo Tavares assume algum arrojo linguístico, nomeadamente na inserção de dois funcionais volumes verticais, o vão de escada do primeiro corpo, e a torre do relógio, criada com o propósito de servir para a suspensão de cabos em teste, marcados por uma grelha de iluminação em betão, que permite a criação de equilíbrio formal entre o peso deste maciço horizontal e as duas linhas verticais. A torre, importante para a realização das experiências das suspensões dos cabos, integra um universo disseminado por muitas outras indústrias.
 
Registo visualizado 38 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Extração, produção e transformação  Fábrica    

Descrição

Planta poligonal, resultante da articulação longitudinal de três corpos retangulares, de três e dois pisos e de uma torre. Fachadas rebocadas e pintadas, coberturas planas de betão no primeiro corpo e na torre, telhada a quatro águas no terceiro corpo. Fachada principal orientadas a ocidente, com cinco panos de fachada, os três primeiros correspondentes ao primeiro corpo, sendo o primeiro e o terceiro rasgados por galeria sobre pilotis no piso térreo e rasgados por vãos retilíneos (sete no primeiro pano, três no terceiro) dos segundo e terceiro pisos. O segundo pano corresponde a uma caixa de escadas marcada exteriormente por grelha de iluminação em betão de forte efeito plástico. O quarto pano de fachada, corresponde ao segundo corpo, a torre do relógio, um corpo paralelipipédico alto e esguio, igualmente rasgada por grelha de iluminação, a partir do terceiro piso, os dois inferiores possuiam uma janela retilínea cada, encimada pelo relógio, que lhe dá nome. O último pano, referente ao terceiro corpo, de dois pisos apenas é rasgado por janelas retilíneas e centralizado pela porta de entrada com verga em laje de betão saliente e encimada por uma janela retilénea.

Acessos

EN117 / Portela da Ajuda. WGS (graus decimais): lat.: 38,729873, long.: -9,218929

Protecção

Em vias de classificação

Enquadramento

Periurbana. Localizado no declive, junto à EN117, a sul de Alfragide Sul, nas imediações do Bairro SAAL do Alto do Moinho (v. IPA.00028225), que lhe fica a nascente, do edifício da IKEA, que lhe fica a sul, e do Centro Comercial Alegro, que lhe fica a nascente.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Extração, produção e transformação: fábrica

Utilização Actual

Devoluto

Propriedade

Privada

Afectação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: Edmundo Tavares (1952 - 1958)

Cronologia

1952 - construção das instalações da Fábrica de Cabos Eléctricos Diogo d’Ávila em Alfragide, com projeto da autoria do arquitecto Edmundo Tavares, destacando-se de todo o edifício, de características marcadamente industriais, a torre do relógio, cuja função era suspender os cabos eléctricos, para a sua experimentação; 1997 - encerramento da fábrica, ficando o edifício devoluto, desde então, tendo sido 2004 - são demolidas parte das instalções; 2008, 15 outubro - a Câmara Municipal da Amadora determina a abertura do procedimento de classificação como de Interesse Municipal; 2010, 29 janeiro - a Direção Regional de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo considera que o imóvel não reune condições para classificação de nível nacional; 2017, 05 abril - Deliberação da autarquia da Amadora a aprovar a classificação como Monumento de Interesse Municipal.

Dados Técnicos

Estrutura mista

Materiais

Estrutura de betão armado, alvenadira de tijolo, lajes de betão, vidro, madeira e telha de tijolo.

Bibliografia

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Paula Tereno 2017

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login