Império do Espírito Santo do Outeiro

IPA.00033778
Portugal, Ilha Terceira (Açores), Angra do Heroísmo, Angra (Nossa Senhora da Conceição)
 
Arquitetura religiosa, oitocentista. Império de planta retangular, interiormente de espaço único, construído sobre soco e tendo adossado lateralmente a despensa. Apresenta as fachadas estruturadas e seccionadas por três eixos de vãos, a principal rematada em frontão triangular truncado e sem retorno, sobreposto por coroa do Espírito Santo, correspondendo a porta entre janelas, sendo os elementos estruturais e decorativos em cantaria.
Número IPA Antigo: PT071901040081
 
Registo visualizado 1642 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Império    

Descrição

Império de planta retangular simples com despenda também retangular adossada à fachada lateral esquerda. Volumes articulados com coberturas diferenciadas em telhados de duas águas, dispostas perpendicularmente, rematadas em beirada simples. IMPÉRIO com fachadas rebocadas e pintadas de branco e soco, pilares, frisos, cornijas, molduras dos vãos e elementos decorativos em cantaria aparente. Fachadas desenvolvidas sobre soco, definido por cornijas e ritmado por plintos paralelepipédicos. A principal surge virada a N. e apresenta remate em frontão triangular sem retorno e truncado, rematado por coroa do Espírito Santo sobre acrotério, ladeada de aletas com elementos vegetalistas, e tendo no alinhamento dos cunhais vasos. No tímpano possui silhares relevados e almofadados, o central quadrangular sobreposto por vieira, pintada de cinzento, e os laterais triangulares, todos de ângulos curvos. É rasgada por três vãos em arco deprimido, o central mais largo, assentes em pilares, os exteriores dispostos nos cunhais, com chanfro, sobre plintos paralelepipédicos no enfiamento dos do soco, correspondendo a porta entre duas janelas de peitoril, com bandeira e caixilharia de guilhotina e pano de peito liso em cantaria. Sobre cada um dos vãos, surgem almofadas retangulares de ângulos curvos, existindo sob a central dois azulejos inscritos. Fachada lateral direita terminada em cornija, estruturada e rasgada por vãos semelhantes aos da frontaria, correspondendo a três janelas de peitoril, em arco deprimido, sobre pilares com chanfro, caixilharia de guilhotina e bandeira, tendo panos de peito em cantaria e sendo encimados por almofadas retangulares de cantaria. Fachada posterior cega e terminada em empena, coroada por cruz latina de alvenaria, almofadada e pintada de branco, sobre acrotério; o cunhal esquerdo possui plinto capeado a cantaria. DESPENSA com fachada principal virada a N., de um piso, rebocada e pintada de branco e faixa, cunhais, friso superior e molduras dos vãos sublinhados a bordeaux. É rasgada por porta de verga reta entre duas janelas de peitoril, com guarda de peito em ferro, pintada de preto, todas com molduras recortadas superiormente e nas janelas formando brincos retos.

Acessos

Angra (Nossa Senhora da Conceição)

Protecção

Incluído na Zona Central da Cidade de Angra do Heroismo (v. IPA.00010623)

Enquadramento

Urbano, adossado, adaptado ao declive do terreno, mais acentuado na fachada lateral direita, disposto de gaveto num dos quarteirões do centro histórico, e sem elemento separador com as vias que o circundam. A O. ergue-se o Obelisco do Alto da Memória (v. PT071901040047).

Descrição Complementar

Sobre o portal do império existem dois azulejos, dispostos formando ângulo, com a data da fundação inscrita: "1670" e sobre o da despensa lápide em bronze, decorada com a coroa do Espírito Santo.

Utilização Inicial

Religiosa: império do Divino Espírito Santo

Utilização Actual

Religiosa: império do Divino Espírito Santo

Propriedade

Privada: Irmandade

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1670 - data da fundação do império; 1761, 17 abril - aquando o fogo do incêndio entre o Pico Cordo e a serra de Santa Bárbara, a coroa do Império do Outeiro é a primeira a chegar; na sequência, D. José concede alvará concedendo à dita coroa o privilégio de sempre tomar a direita relativamente às demais, aquando das procissões; 1809 - data de uma das coroas do Império; séc. 19 - época provável da construção do império sobre um pré-existente; posteriormente procede-se à construção da despensa; 1870 - feitura de nova coroa, sendo procurador Filipe Venceslau e filho, o tesoureiro Manuel Silveira e o escrivão José Maria da Costa; 1891 - feitura da segunda coroa; 1903, 23 outubro - data dos atuais Estatutos do Império.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em cantaria aparente; porta e caixilharia de madeira; vidros simples; cruz em alvenaria; azulejo; lápide de bronze; guardas em ferro; cobertura de telha.

Bibliografia

CAMPOS, João dos Santos de Sousa - Para uma explicação da arquitectura dos Impérios do Espírito Santo. Porto: s.n., 2002. Dissertação de Mestrado em Relações Internacionais, apresentada à Universidade Aberta, texto policopiado; MERELIM, Pedro de - As 18 Paróquias de Angra. Sumário Histórico. Angra do Heroísmo: tipografia Minerva Comercial, 1974.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1966 - obras de restauro do Império.

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Paula Noé 2012

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login