Ermida da Santa Casa da Misericórdia de São Sebastião / Casa de Francisco Ferreira Drumond

IPA.00033675
Portugal, Ilha Terceira (Açores), Angra do Heroísmo, Vila de São Sebastião
 
Capela da misericórdia de fundação quinhentista, mas com fachada reformada no séc. 17, com construções anexas, nomeadamente a casa do despacho, adaptada a casa de habitação no séc. 19. Tem planta retangular e iluminação interior axial. Fachada principal com os elementos estruturais e decorativos em cantaria, terminada em frontão triangular sem retorno e rasgada por portal de verga reta, com moldura ladeada de duplas pilastras sustentando entablamento, e por uma janela jacente no tímpano, ladeada por pináculos; destaca-se a decoração formada por friso vegetalista relevado sobre o portal, pomba do Espírito Santo entre aletas sobre a janela do tímpano e os losangos concêntricos nos plintos das pilastras. Lateralmente, possui pano de muro com sineira, cujo acesso formava balcão, atualmente integrado no ângulo da casa. Adossada à fachada lateral esquerda desenvolve-se casa de planta retangular, composta por corpo de um piso e outro de três, rasgados por vãos retilíneos, possuindo junto à fachada lateral escada com guarda de cantaria formando balcões.
Número IPA Antigo: PT071901150114
 
Registo visualizado 625 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja de Confraria / Irmandade  Misericórdia

Descrição

Capela de planta retangular, tendo adossado à fachada lateral esquerda casa retangular irregular composta por vários corpos, volumetricamente distintos. Volumes articulados com coberturas de duas águas na capela e de duas e quatro águas na casa. Fachadas rebocadas e pintadas de branco. CAPELA com fachada principal virada a N., com embasamento e elementos estruturais e decorativos em cantaria aparente; apresenta pilastras toscanas nos cunhais e termina em entablamento sobre o qual se desenvolve frontão triangular sem retorno e levemente truncado no topo, coroado por cruz latina de cantaria, biselada sobre plinto paralelepipédico; é rasgada por portal de verga reta, de múltiplas molduras, ladeado por duplas pilastras almofadadas, sobre plintos ornados por losangos concêntricos, sustentando entablamento com alto friso de elementos vegetalistas recortados; sobre a cornija inferior do frontão, existe no alinhamento das pilastras duplos pináculos sobre plintos; ao centro do timpano, abre-se janela rectangular jacente, de múltiplas molduras, encimada por elementos volutados enquadrando resplendor com pomba do Espírito Santo. À esquerda dispõe-se pano, definido por pilastras, terminado em entablamento, sustentando sineira, em arco de volta perfeita sobre pilares, terminada em cornija reta coroada por aletas centrais e pináculos laterais. A CASA desenvolve-se adossada ao longo da fachada lateral esquerda da capela, composta por dois corpos. Fachada principal virada a E., com corpo de um piso apresentando faixa pintada de preto, rasgada por dois portais entre cinco janelas de peitoril com caixilharia de tripla guilhotina, tendo todos os vãos verga reta e moldura recortada no topo e, as janelas, inferiormente, formando falsos brincos. No ângulo NE. a fachada é rematada por cornija, sobre a qual assenta balcão com guarda plena de cantaria. O segundo corpo apresenta três pisos, com alhetas nos cunhais, rasgando-se no primeiro porta de verga reta e janela de peitoril, com caixilharia de guilhotina, e nos dois superiores janela de peitoril retilínea, interligadas por pano de cantaria. Junto à fachada lateral esquerda desenvolve-se escada de cantaria, com guarda plena de cantaria, com dois patamares, o superior precedendo porta rasgada ao nível do terceiro piso, ladeada por janela de peitoril, e formando alpendre a porta ao nível do segundo piso. Fachada posterior de dois pisos, o mais alto rasgado por dois eixos de vãos sobrepostos, correspondendo a janelas de peitoril, com caixiharia de guilhotina, e a uma porta. O corpo mais baixo possui janela rectangular estreita.

Acessos

Vila de São Sebastião; EN 1-1A; Travessa da Misericórdia; Travessa Ferreira Drummond

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Resolução do Presidente do Governo Regional n.º 221/1996, JORAA, 1.ª série, n.º 39 de 26 setembro 1996 (casa)

Enquadramento

Urbano, adossado e disposto de gaveto no centro da vila, com a fachada principal virada à estrada nacional que a atravessa, com passeio separador. Do outro lado da travessa, ergue-se o edifício da Misericórdia. Nas imediações, ergue-se a Igreja Paroquial de São Sebastião (v. PT071901150002) e o Império de São Sebastião.

Descrição Complementar

Junto à janela do segundo piso do corpo de três pisos da casa existe lápide, de mármore, com a inscrição "NESTA CASA VIVEU E FALECEU / O HISTORIADOR TERCEIRENSE / FRANCISCO FERREIRA DRUMOND / NASCEU A 21-1-1796 FALECEU A II-9-1858".

Utilização Inicial

Religiosa: igreja de confraria / irmandade

Utilização Actual

Cultural e recreativa

Propriedade

Privada: Misericórdia

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 17 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1536, 20 julho - testamento de Maria Fernandes e Baltazar Gonçalves, o Barbo, mandando que seus herdeiros paguem anualmente de esmola à Santa Casa 1$000 para os pobres; tal testamento aponta para a já existência de Misericórdia nesta data; 1571, 02 junho - segundo Francisco Ferreira Drummond, o corregedor Gaspar Pereira de Lagos foi à Câmara de São Sebastião com o corregedor Fernão de Pina Marecos e, estando presentes os vereadores e muitas pessoas da governança da ilha, resolveram edificar um hospital não só para os pobres da vila e termo, como também para os necessitados que chegassem ao porto da vila; como até então não havia casa de Misericórdia, sendo essa tão necessária, foi pelos ditos desembargadores proposto fundá-la junto com o hospital; todos prometeram dar esmolas para tão meritória obra; séc. 17 - época provável da reforma da capela; 1680, 07 maio - alvará do Governo Civil de Angra extinguindo a Misericórdia, causando grandes protestos dos sebastianenses; 1833, 25 abril - escritura de aforamento da capela e casa de reunião dos irmãos da Misericórdia ao historiador Francisco Ferreira Drummnd, sendo descrita como casa de "alto e baixo e seu quintal com um alqueire de terra cuja casa servia do consistório da Misericórdia da dita vila" por 1$5000 anuais; foi nesta casa que Drummond viveu até morrer, passando a ser conhecida como sua casa; 1858, 11 setembro - data da morte de Francisco Ferreira Drummond; 1861, 05 julho - portaria restaurando a Misericórdia, subsistindo até ao presente; 1951, 14 outubro - homenagem a Francisco Ferreira Drummnd pela Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, no contexto das comemorações dos cinco séculos da chegada à ilha Terceira dos primeiros povoadores, erguendo-se um pequeno monumento na rua em que ele havia vivido; posteriormente a casa onde Drummond vivera é adquirida pela Santa Casa da Misericórdia de São Sebastião.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura rebocada e pintada; pilastras, frisos, cornijas, cruz, pináculos, molduras dos vãos e elementos decorativos em cantaria; portas, caixilharia e portadas de madeira; vidros simples; cobertura de telha.

Bibliografia

II Congresso Regional das Misericórdias dos Açores. 30 de abril a 3 de maio de 1987. Angra do Heroísmo: Tipografia Moderna, 1990; MENDES, padre João Maria - «Os bens das Misericórdias da Vila Nova e da vila de São Sebastião». In II Congresso Regional das Misericórdias dos Açores. 30 de abril a 3 de maio de 1987. Angra do Heroísmo: Tipografia Moderna, 1990, pp. 102-117.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Paula Noé 2012

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login