Pelourinho de Pombal

IPA.00003283
Portugal, Leiria, Pombal, Pombal
 
Pelourinho quinhentista, de bola, de fuste cilíndrico. De entre os fragmentos do pelourinho, destacam-se parte do capitel, com decoração volutada. O remate é composto por ampla bola achatada.
Número IPA Antigo: PT021015090003
 
Registo visualizado 262 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição de ordem militar  Tipo bola

Descrição

Fragmentos de pelourinho, em cantaria de calcário, composto por parte do fuste octogonal e bola de remate facetada e achatada. Incrustrado num muro do castelo existe um pedaço de fuste idêntico que se diz ter pertencido ao pelourinho.

Acessos

Claustro da Câmara Municipal, na Rua de Leiria

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano. Os fragmentos do pelourinho que estiveram no Largo Cinco de Outubro estão arrumados no claustro da Câmara, antigo convento do Cardal de frades franciscanos.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1160 - concessão da povoação aos Templários; 1174, Junho - concessão de foral pelo grão-mestre da Ordem, D. Gualdim Pais; 1357 - concessão da povoação à Ordem de Cristo; 1512, 01 Junho - concessão de foral por D. Manuel I; 1712 - é da Comarca de Leiria e pertence à comenda da Ordem de Cristo, sendo comendador o Conde de Castelo Melhor; tem 300 vizinhos e juiz de fora, que também existe na Redinha, vereadores, procurador do concelho, escrivão da câmara, juiz dos órfãos com o respectivo escrivão, 5 tabeliães, contador, inquiridos, distribuidor e escrivão das sizas; 1758 - nas Memórias Paroquiais, é referido que a povoação é da comarca de Leiria, com câmara, juízes ordinários e vereadores; séc. 18 - provável desmembramento do pelourinho e dispersão pela povoação dos vários fragmentos, com a construção de um novo pelourinho pombalino; séc. 19 - demolição do segundo pelourinho, totalmente desaparecido; séc. 20, 2.ª metade - colocação de alguns fragmentos no claustro do antigo Convento do Cardal (v. PT021015090017), actual Câmara Municipal de Pombal.

Dados Técnicos

Fragmentos.

Materiais

Fragmentos em cantaria calcária

Bibliografia

COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza, vol. III, Lisboa, Officina Real Deslandesiana, 1712; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário Artístico de Portugal, vol V, Lisboa, 1955.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; CMP

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 42, n.º 331, fl. 158)

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

Autor e Data

Isabel Mendonça 1991

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login