Hotel Clube / Hotel Europa / Centro Cultural Franco-Moçambicano

IPA.00031683
Moçambique, Cidade Maputo, Maputo (M), Maputo (M)
 
Hotel dos séculos 19 e 20. Conjunto composto por vários edifícios, apresentando o original uma planta rectangular regular, desenvolvendo-se em dois pisos, sendo a sua principal marca o abundante uso do ferro como elemento estrutural e decorativo do edifício, especialmente ao nível das varandas, num tipo de arquitectura colonial passível de ser encontrada nas principais cidades sul-africanas (Joanesburgo, Cidade do Cabo, Durban), cujos edifícios terão servido de influência.
Número IPA Antigo: MZ910201000027
 
Registo visualizado 209 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Comercial e turístico  Unidade hoteleira  Hotel  

Descrição

Conjunto composto por vários edifícios e corpos, de plantas rectangulares. O edifício original (situado na parte E. do conjunto) apresenta uma planta rectangular, desenvolvendo-se em dois pisos, com alpendre a todo o perímetro com tecto em madeira, sendo replicado no piso superior por uma varanda, também a todo o comprimento da sua fachada, sustentada por finos e trabalhados pilares de ferro, que se apresentam como os elementos mais definidores do edifício. Paredes em tijolo aparente. No piso térreo abrem-se ao alpendre mais de uma dezena de portas, possuindo ainda o edifício duas bow windows (janelas semi-circulares projectando-se para fora da fachada do edifício) na fachada principal. No piso superior existência apenas de portas abrindo-se à extensa varanda. Os edifícios novos reproduzem, numa linguagem contemporânea, a estrutura do edifício original, contendo longas varandas sustentadas por pilares, bem como na configuração e cor do telhado (azul clara) e na cor exterior das paredes pintadas em tom alaranjado, próximo ao dos tijolos. INTERIOR: A entrada é feita através de um pequeno átrio pintado em tons de azul, a partir do qual se acede a uma sala por meio de dois arcos entre si separados por duas colunas assentem num plinto. A sala seguinte, em tons de vermelho dá acesso à mais ampla sala do piso térreo, pintada em tons de branco, bem como ao piso superior através de uma escada de madeira com corrimão de ferro. As salas do piso superior, igualmente amplas, remetem o cromatismo das do piso inferior, procurando criar uma sensação de uniformidade decorativa. Nenhuma das salas do edifício apresenta a decoração original por se tratarem actualmente de espaços expositivos. *1 Os tectos de ambos os pisos, pintados de branco, simulam caixotões de madeira.

Acessos

Avenida Samora Machel nº 468, voltado à Praça da Independência, no gaveto com a Rua da Rádio.

Protecção

Enquadramento

Urbano, isolado, ergue-se num terreno delimitado a NE. pela Praça da Independência, a O. pela Avenida Samora Machel, a N. e NO. pela Rua da Rádio e a SE. pelo Jardim Tunduru. Nas proximidades erguem-se a Casa de Ferro (v. MZ910201000024), o Edifício TAP/ Montepio de Moçambique (v. MZ910201000048), o Teatro Gil Vicente (v. MZ910201000028), o edifício das Telecomunicações de Moçambique (v. MZ910201000035), o Palácio da Rádio (v. MZ910201000026), a Catedral (v. MZ910201000020), o Hotel Rovuma (v. MZ910201000052) e o Edifício do Conselho Municipal (v. MZ910201000029).

Descrição Complementar

Na fachada principal, voltada à Avenida Samora Machel, sob a única janela de dois batentes localiza-se uma pedra com a seguinte inscrição: PEDRA FUNDAMENTAL / AOS 30 DIAS DO MEZ DE JUNHO DE 1898 SUA EXª O Sn / JOÃO DE MASCARENHAS GAIVÃO GOVERNADO DO DISTRICTO DE / LOURENÇO MARQUES ASSENTOU A PEDRA FUNDAMENTAL D'ESTE / CLUB SENDO GOVERNADÔR GERAL E COMMISARIO REGIO DA / PROVINCIA DE MOÇAMBIQUE SUA EXCELLENCIA O MAJOR DO / EXERCITO PORTUGUEZ JOAQUIM MOUSINHO D'ALBUQUERQUE / FORÃO ARCHITECTOS & CONSTRUCTORES / WELLS & INC C.E. M.S.A ROCHELLE & SMITH / LOURENÇO MARQUES DE JOHANNESBURG; Na mesma fachada. sob uma bow window *2 encontra-se uma outra pedra com a seguinte inscrição: LA PRIMIÈRE PIERRE DU CENTRE CULTUREL FRANCO-MOZAMBICAIN / A ÉTÉ POSÉE PAR S. EXC. MONSIEUR MICHEL ROUSSIN, MINISTRE / FRANÇAIS DE LA COOPERATION ET S. EXC MONSIEUR JACINTO SOARES / VELOSO, MINISTRE MOZAMBICAIN DE LA COOPERATION, LE SAMEDI 6 / NOVEMBRE 1993; A PRIMEIRA PEDRA DO CENTRO CULTURAL FRANCO-MOÇAMBICANO / FOI COLOCADA POR S. EXC. O SENHOR JACINTO SOARES VELOSO, / MINISTRO MOÇAMBICANO DA COOPERAÇÃO E POR S. EXC. O SENHOR / MICHEL ROUSSIN, MINISTRO FRANCÊS DA COOPERAÇÃO, SABADO, DIA 6 DE NOVEMBRO DE 1993.

Utilização Inicial

Comercial e turística: hotel

Utilização Actual

Cultural e recreativa: instituto cultural

Propriedade

Privada: Centro Cultural Franco-Moçambicano

Afectação

Época Construção

Séc. 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: Rochelle & Smith *3 (1898); Wells & Inc (1898); CONSTRUTOR: Rochelle & Smith (1898); Wells & Inc (1898).

Cronologia

1898, 30 Junho - assentamento da primeira pedra do edifício do Hotel Clube; 1993, 6 Novembro - lançamento da primeira pedra dos novos edifícios do Centro Cultural Franco-Moçambicano; 1995, 13 Julho - instalação do Centro Cultural Franco-Moçambicano *4 no edifício do antigo Hotel Clube; 2011, Fevereiro - o edifício faz parte de uma lista de 200 imóveis ("Catálogo dos Edifícios e Espaços Urbanos Propostos para a Classificação") de Maputo que a Faculdade de Arquitectura e Planeamento Físico da Universidade Eduardo Mondlane irá propôr a classificação.

Dados Técnicos

Materiais

Tijolo; ferro.

Bibliografia

http://ccfmoz.com (website do Centro Cultural Franco-Moçambicano, consultado a 15/07/2011)

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1993 - 1995 - construção dos novos edifícios do Centro-Cultural Franco-Moçambicano.

Observações

*1 - não tendo sido possível aferir a existência / localização do mobiliário original; *2 - a localização desta pedra, colocada quase 100 anos depois da primeira numa posição semelhante, remete claramente para uma semelhança consciente com a primeira; *3 - a companhia Rochelle & Smith (de Joanesburgo) foram em 1902 os construtores do King Edward Hotel, em Port Elizabeth (África do Sul). *4 - O Centro Cultural Franco-Moçambicano é um dos cinco centros culturais franceses a terem um estatuto bi-nacional. O conselho de administração é presidido alternativamente pelo Ministro da Educação e Cultura de Moçambique e pelo Embaixador da França. *5 - da qual é o mais paradigmático exemplo o French Quarter de Nova Orleans, EUA.

Autor e Data

Tiago Lourenço 2011 (projecto FCT PTDC/AURAQI/104964/2008 "Gabinetes Coloniais de Urbanização: Cultura e Prática Arquitectónica")

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login