Igreja Paroquial de Ordem / Igreja de Santa Eulália

IPA.00031178
Portugal, Porto, Lousada, União das freguesias de Cristelos, Boim e Ordem
 
Igreja paroquial de fundação medieval, de que mantém a estrutura da nave, bastante estreita e longa, as portas travessas e o vão do baptistério. Tem planta em T, composta por nave e capela-mor de construção recente, com coberturas interiores diferenciadas, em falsa abóbada de berço de madeira na nave e em vigas na capela-mor, com a nave escassamente iluminada por frestas rasgadas nas fachadas laterais e a capela-mor com ampla luminosidade a partir dos vãos rasgados na empena do arco triunfal. Fachada principal em empena com os vãos rasgados em eixo, composto por portal dintelado e janela rectilínea. No lado esquerdo da empena, sineira barroca com remate em frontão interrompido por volutas. Fachadas da nave rematadas por conija sustentada por cachorrada simples, rasgadas por frestas e portas travessas em arcos levemente apontados, assentes em impostas salientes e com tímpanos lisos. Interior com coro-alto, baptistério e púlpito no lado do Evangelho. Arco triunfal de volta perfeita, assente em pilastras toscanas, de construção seiscentista, ladeado por retábulos de talha dourada maneirista, de planta recta e remate em tabela pintada. Capela-mor de feitura recente, composta pela zona do altar e duas alas laterais. Mantém traços tardo-românicos, visíveis na estrutura da nave, na fenestração da mesma e nas portas travessas, com arco levemente apontados e assentes em impostas salientes. A fachada principal ostenta, sobre a janela do coro, uma cruz de Malta, alusão ao padroado do edifício, tendo, na verga do portal, uma data mais tardia, oitocentista, reflectindo a reforma da fachada, com a construção do janelão do coro, coro-alto e sineira, apesar de apresentar perfil barroquizante. No interior, é de destacar a pia baptismal com a taça e coluna ostentando elementos estriados, dispostos em espira ou em viés, de feitura quinhentista ou seiscentista, inserida em vão em arco apontado. O arco triunfal é ladeado por retábulos de estrutura maneirista, mas de feitura tardia, talvez nos primeiros anos do séc. 18, com o recurso a colunas torsas, ornadas por pâmpanos. A nova capela-mor resulta da necessidade de expandir a zona de culto e destinada aos fiéis, sendo incaracterística.
Número IPA Antigo: PT011305170056
 
Registo visualizado 243 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta em T, composta por nave e capela-mor bastante larga, disposta perpendicularmente, de volumes articulados e coberturas diferenciadas em telhados de duas águas, uma delas prolongando-se em uma água, lançada sobre a zona mais elevada da empena do arco triunfal, permitindo rasgar janelas triangulares nesta zona. Fachadas em cantaria de granito aparente, em aparelho pseudo-isódomo, rematadas em cornija assente em cachorrada simples. Fachada principal virada a O., em empena com cruz latina sobre plinto tronco-piramidal no vértice, que se horizontaliza lateralmente, no lado direito para receber um pináculo de pinha e, no lado esquerdo, para sineira de volta perfeita, assente em impostas salientes e rematando em frontão triangular volutado. É rasgado por portal de verga recta, tendo lintel com a data "1868", encimado por janela rectilínea, sobrepujada por silhar com a cruz de Malta gravada. Fachada lateral esquerda rasgada por duas frestas e por portal em arco de volta perfeita sobre impsotas salientes e tímpano liso. No lado direito, escadas de pedra com guarda metálica, de acesso à sineira. O corpo da cabeceira é em empena cega e tem na face O. ampla porta de verga recta, com acesso por três degraus de cantaria e guarda metálica. Fachada lateral direita com duas frestas e porta semelhante à da fachada oposta. O corpo da cabeceira tem pequena porta de verga recta, encimada por janela. Fachada posterior cega. INTERIOR com as paredes rebocadas e pintadas de branco, tendo na nave pavimento em soalho e cobertura em falsa abóbada de berço abatido, de madeira e com tirantes metálicos. Coro-alto de madeira, assente em quatro mísulas de cantaria. Portal axial e porta travessa S. com pias de ábua benta em cantaria, em quarto de esfera e de bordos boleados. No lado do Evangelho e no sub-coro, baptistério com acesso por arco apontado e moldura boleada, com pavimento em lajeado de granito, com o fundo pintado, a representar um "Baptismo de Cristo". Contém pia baptismal com coluna facetada e taça ornada por toros dispostos equidistantemente. No mesmo lado, púlpito quadrangular com bacia de cantaria assente em consola ornada por folhagem, com guarda de madeira torneada e acesso por escadas no lado direito com guarda de madeira vazada, formando falsos balaústres. No lado da Epístola, dois nichos de volta perfeita. Arco triunfal de volta perfeita, assente em pilastras toscanas e com sanefão de talha pintada de dourado, ladeado por capelas retabulares colaterais, dedicadas ao Sagrado Coração de Jesus e Nossa Senhora, inseridos em meios-arcos de volta perfeita. Elevada por três degraus, a capela-mor com paredes rebocadas e pintadas de branco, tecto em vigamento de betão revestido a madeira e pavimento lajeado. Sobre supedâneo de um degrau, a mesa de altar, de talha pintada de dourado, rectilínea e sobre colunas torsas. No lado da Epístola, órgão eléctrico e porta de acesso à sacristia.

Acessos

Avenida da Igreja. WGS84 (graus decimais) lat.: 41,285700; long.: -8,303535

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, isolado, implantado numa zona plana formando um pequeno adro pentagonal, pavimentado a calçada à portuguesa, formando elementos vegetalistas e, em frente ao portal axial, uma cruz de Malta. Junto à fachada principal, dois edifícios, o do lado SO, correspondente ao Centro Paroquial. A SE., situa-se o Cemitério.

Descrição Complementar

Os retábulos colaterais são semelhantes, de talha dourada, de planta recta e um eixo definido por quatro colunas torsas, ornadas por pâmpanos, assentes em plintos paralelepipédicos. Ao centro, nicho de volta perfeita com a boca rendilhada. Remata em friso de querubins e cornija, com tabela rectangular flanqueada por quarteirões e aletas volutadas, encimados por elementos de talha. Altar paralelepipédico. Na tabela do colateral da Epístola, a representação pintada de Santa Luzia.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese do Porto)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

770, maio - é referida a igreja de Santa Eulália numa carta de doação do Mosteiro de Alpendurada, como tendo sido fundada depois da presúria; 1216 - refere-se como sendo já parte da Ordem do Hospital, que a terá recebido (de acordo com as "Inquirições" de 1258) de D. Teresa Gonçalves, irmã do conde D. Mendo de Sousa; 1300 - Concórdia entre o prior dos Hospitalários e o arcebispo de Braga, este último ficando com o direito de confirmação; séc. 17 - provável construção da igreja; 1706 - segundo o Padre Carvalho da Costa, a igreja é antiga e parece um antigo mosteiro; é uma vigararia apresentada pelo Balio, para o qual rende 130$000, rendendo para o vigário 60$000; a povoação tem 66 vizinhos; 1758, 16 maio - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco, Pantaleão Machado Abreu e Silva, é referido que a povoação pertence à Ordem de Malta, sendo do Balio de Leça; a igreja tem cinco altares, o mor com o Santíssimo Sacramento e as imagens do orago e do Menino Jesus; possui o altar de Nossa Senhora de Guadalupe e o de Cristo Crucificado, com a imagem de São Sebastião e Nossa Senhora, o de Santa Catarina e um último com as imagens de Santo Inácio, Santo António e São Gonçalo; tem as Irmandades das Almas, com Santa Catarina como protectora, a de Nossa Senhora de Guadalupe, a do Santíssimo; é uma reitoria, apresentada pelo Balio de Leça, com a côngrua de 100$000; séc. 20 - ampliação da capela-mor, com a construção de dois braços laterais.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes (nave) / Sistema estrutural de paredes autónomas (capela-mor e sacristia)

Materiais

Estrutura em cantaria de granito e betão, com o interior rebocado e pintado; modinaturas, sineira, pavimento da capela-mor, bacia do púlpito, mísulas, pilastras, arcos em cantaria de granito; coberturas interiores, portas, retábulos, altar, guarda do púlpito, coro-alto, pavimento da nave de madeira; tirantes metálicos; cobertura exterior em telha cerâmica; janelas com caixilharias de alumínio de vidro fosco.

Bibliografia

COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza..., Lisboa, Valentim da Costa Deslandes, 1706, tomo I; LOPES, Eduardo Teixeira, Lousada e as suas freguesias na Idade Média, Lousada, Câmara Municipal de Lousada, 2004.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Diocese do Porto: Secretariado Diocesano de Liturgia

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 14, n.º 106, fl. 783-788)

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Diocese do Porto e Paula Figueiredo (IHRU) 2011 (no âmbito da parceria IHRU / Diocese do Porto)

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login