Solar da Torre do Terrenho e Capela de Nossa Senhora da Penha / Solar dos Brasis

IPA.00003093
Portugal, Guarda, Trancoso, União das freguesias de Torre do Terrenho, Sebadelhe da Serra e Terrenho
 
Casa nobre setecentista, com inscrição identificativa da data de fundação, onde se destaca a torre rematada por gárgulas de canhão, uma varanda com alpendre apoiado em colunas toscanas. Terá sido muito remodelado, com evidentes diferenças construtivas entre a torre e o corpo principal e a fachada principal não possui qualquer acesso ao interior, que se processa pelo interior da quinta que o envolve. É de planta rectangular, composta por corpo principal de dois pisos, integrando a capela adossada ao lado direito e uma torre de três pisos de planta quadrada, no lado oposto. Fachada principal ostenta enorme brasão. Composição tendencialmente regular com vãos de lintel recto e moldura lisa. Varanda alpendrada na fachada posterior. Espaço interno com diferenciação funcional entre os pisos e compartimentação tripartida. Capela de planta longitudinal composta por nave com coro-alto e capela-mor ligeiramente mais estreita. Fachada principal em frontão triangular, com portal de verga recta rematado por frontão semicircular interrompido. Fachadas com cunhais apilastrados e remates em friso e cornija, a lateral direita rasgada por portal semelhante ao da fachada principal e janela em capialço na capela-mor. Retábulos-mor, laterais, coro e púlpito de talha dourada e policromada do estilo joanino. Coberturas internas em falsa abóbada de berço pintadas e tecto de caixotões pintados na sacristia. Existência de púlpito no lado do Evangelho. A torre possui tectos em talha policroma, de grande riqueza decorativa e iconográfica. A capela constitui um enorme ex-voto dedicado a Nossa Senhora da Penha de França, com enorme riqueza decorativa e iconográfica da talha e pintura retabulares do período joanino, surgindo representadas várias figuras de corpo inteiro, ostentando adereços de origem brasileira. Gradeamento do coro com rótulas. Vestígios de reboco pintado a ocre nas fachadas.
Número IPA Antigo: PT020913230010
 
Registo visualizado 291 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  Tipo planta retangular

Descrição

Planta rectangular irregular, composta por edifício principal, torre e capela adossada, de volumes escalonados e coberturas diferenciadas de telhado a duas e quatro ( corpo da torre ) águas. SOLAR de dois pisos, com três na torre, de fachadas rebocadas e pintadas de branco com cunhais apilastrados e remates em friso e cornija. A fachada principal, orientada, regista embasamento proeminente na torre. Ao nível do primeiro piso, uma sequência de três janelas de lintel recto e moldura simples, secundadas, no andar superior, por seis janelas idênticas, de proporção quadrada no corpo principal da casa, onde existe a pedra de armas. Destacando-se lateralmente, o último piso da torre, separado por friso, com duas janelas de lintel recto tendo ao centro um nicho em arco pleno. A cornija da torre conserva gárgulas de canhão e pináculos piramidais. O alçado S. corresponde ao corpo da torre, encontrando-se adossado um anexo com fenestração semelhante. Alçado N. adossado à capela. Alçado O. regista, no piso térreo, três portas de lintel recto sem moldura e um lanço de escadas exteriores de acesso ao balcão. No andar superior, destaca-se a varanda alpendrada com quatro colunas toscanas, ladeada por três janelas. O INTERIOR caracteriza-se pela diferenciação funcional entre os pisos, contando três lojas no primeiro, com pavimento lajeado ou térreo e a cobertura, parcialmente ruída, composta pela estrutura do pavimento superior. O andar nobre repete esta compartimentação tripartida, sequenciando três salas com acesso a partir da escada externa. O pavimento é soalhado e a cobertura mostra a ruína da armação do telhado. Exceptua-se o salão nobre, ocupando o espaço da torre, com tecto plano quadripartido com roseta central. Um lanço de degraus em madeira lançado sobre o anexo adossado a S. permite o acesso ao terceiro piso, com uma única sala de tecto em talha policroma, de forma octogonal e apoiado em quatro atlantes ou serafins com penachos de índios, um dos quais caído; dividido em dezasseis caixotões pintados, com as molduras pontuadas por rosetas e anjos tem, na linha inferior figuração hagiográfica, identificada por inscrição delida ( São João Baptista, Santa Clara, São João Evangelista, Santa Inês, Santa Maria Madalena, Santa Helena, São Pedro, São Paulo, Santa Isabel, Santa Rosa, São Miguel, Santa Águeda, Santa Catarina, Santa Genoveva ) e, na linha superior, motivos vegetalistas; no fecho exibe a pedra de armas com elmo e paquife, sustentada por anjos. CAPELA de planta longitudinal composta por nave única e capela-mor rectangular ligeiramente mais estreita, formando volume único com cobertura homogénea em telhado de duas águas. Fachadas de cantaria aparente com cunhais apilastrados encimados por pináculos. Remates em friso e cornija. Fachada principal orientada, com embasamento proeminente e portal de verga recta, decorado com losangos, ladeado por pilastras molduradas e encimado por entablamento. Rematado por frontão curvo interrompido, enquadrando nicho em arco pleno, rodeado por volutas, com imagem de barro de São Luís. Este é ladeado por duas janelas quadradas, de lintel recto e moldura lisa, surgindo, no lado direito do portal, uma inscrição: "ESTA CAP.A M. F. P.A SI E SEOS / ERD.ROS LVIS DE FIG.DO MONTE / ROYO CAP.AM G.DA MOR E PROVE / DOR DOS QVINTOS REAIS / QVE FOI NAS MINAS DO / OVRO 1727". A fachada é rematada por frontão triangular com cruz e pináculos piramidais nos vértices e apresenta vestígios de reboco pintado a ocre. Fachada N. mantém o embasamento proeminente, registando um portal idêntico ao principal e janela no volume da capela-mor. Fachadas S. e O. encontram-se adossadas, esta apenas parcialmente, sendo visível o remate em frontão triangular e cruz. O INTERIOR possui coro-alto sobre arco abatido em madeira mostrando gradeamento com rótulas, ritmado por pilares decorados por figuras encimadas por pequenos pilares e com festões pintados na base. No lado do Evangelho, o púlpito quadrangular, com guarda de talha em apainelados e sanefa de franja, encimado por baldaquino coroado por anjos músicos de corpo inteiro e a figura alegórica da Fé. Alberga dois retábulos laterais, confrontantes, de talha dourada e policromada, dedicados a Santo António e a Cristo Crucificado. O pavimento é lajeado e a cobertura em falsa abóbada de berço, de madeira pintada, com a imagem da Virgem, grotesco, putti sobre friso com festões e falsa cornija pintada. Arco triunfal de volta perfeita, policromado nas molduras e pilastras, ladeado ao nível das impostas por dois nichos em arco pleno, acede à capela-mor protegida por teia balaustrada. As paredes laterais encontram-se revestidos por 14 telas, representando figuras hagiográficas, enquadradas por molduras de talha ( Santa Bárbara, Santa Joana, Santa Catarina de Siena, Santa Rita de Cássia, Santa Catarina da Alexandria, Santa Doroteia e São Domingos ). O seu pavimento é também lajeado e na cobertura destaca-se o tecto de doze caixotões pintados com figuração hagiográfica e com molduras de folhas policromas, a azul e branco. Os alçados são simétricos, apresentando uma janela, falsa num dos lados, e uma porta fingida, oposta à de acesso à sacristia. Sobre supedâneo, o retábulo-mor da capela-mor com planta convexa, de três eixos, divididos por colunas coríntias e fuste decorado com aves, drapeado e putti, sustentadas por figuras de guerreiros, as dos cantos com frutos exóticos na cabeça. No central, tribuna com trono de dois degraus, contendo a imagem do orago, rematada por dossel de cortinas abertas, com um anjo de cada lado. Nos eixos laterais, mísulas com imaginária. As colunas prolongam-se em arquivoltas constituindo o ático. Frontal de altar é composto por quatro painéis móveis, tendo, num dos versos, decoração de talha e no outro pintura decorativa, ladeado por duas portas de acesso à tribuna. No lado do Evangelho, a porta de acesso à sacristia com tecto de caixotões, arcaz, armário embutido na caixa murária, lavabo em cantaria e pequeno retábulo de talha.

Acessos

Largo da Igreja, em Torre de Terrenho, na estrada de Trancoso para Mêda, a cerca de 14 Km a N. da primeira

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 39 175, DG, 1ª série, nº 77 de 17 de abril 1953 ( capela ); Decreto nº 129/77, DR, 1ª série, nº 226 de 29 setembro 1977 (solar e capela) *1

Enquadramento

Periurbano e rural. Situa-se no limite da aldeia, na proximidade de construções de carácter rústico, algumas adossadas à capela. O conjunto encontra-se murado a N., integrando também propriedade rústica. Implanta-se em terreno desnivelado, com alçado E. voltado para zona planáltica, sobranceira a pequeno vale.

Descrição Complementar

Escudo da fachada principal esquartelado, dos Figueiredos, Monteiros, Monterroios e Pintos, com três cornetas no cantão dextro do chefe, águia bicéfala no cantão dextro da ponta, cinco crescentes lunares no cantão sinistro do chefe, cinco folhas de hera no cantão sinistro da ponta, apresentando por timbre um elmo e duas serpentes; é rodeado por motivos vegetalistas estilizados e apoia-se numa carranca. Retábulos laterais são semelhantes, insertos em vão de volta perfeita pintado, de planta recta e um só eixo, onde se integra mísula, enquadrado por dois quarteirões com anjos atlantes. As imagens são protegidas por dossel. No remate da estrutura as esculturas de vulto representando as Virtudes: no lado do Evangelho, Esperança, Prudência e Justiça; no oposto, Caridade, Fortaleza e Temperança. O primeiro é ladeado por caixa de esmolas com duas aberturas, suportada por coluna, com pintura da imagem do orago e as inscrições: "ESMOLAS PARA MISSAS DE NOSSA SENHORA" e "ESMOLAS PARA OBRAS DE NOSSA SENHORA DA PENHA DE FRANÇA". Retábulo da sacristia de planta recta e um eixo com dois anjos laterais, sobre plintos assentes em consolas, que seguram as cortinas do baldaquino do remate.

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Devoluto

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 18, 1.ª metade - Luís de Figueiredo Monterroio, natural de Santa Marta de Penaguião, onde nasceu em 1666, e morador em Ferreirim, arrematou uma casa e fazendas em Torre de Terrenho, que haviam pertencido a cristãos-novos, condenados pelo Santo Ofício, pela quantia de 17 ou 18 mil cruzados; 1726 - início da construção da capela dedicada a Nossa Senhora da Penha de França, dotada de 10 a 15 mil réis anuais *2; feitura da imagem do orago em Lisboa; D. Luís tomou ordens maiores; 1727, 27 Fevereiro - licença do Cabido de Viseu para construção da capela; 1730 - o abade informava que a capela era sumptuosa, faltando executar a sacristia e a torre sineira, sendo já gastos cerca de 6 mil cruzados; 1731 - licença do Bispo de Viseu para celebrar missa, concedendo-se ao fundador o estatuto de padroeiro e direito de ali ser sepultado bem como os seus herdeiros, com missa cantada e com sermão; referido que os ornatos da capela viriam de Lisboa; 1732 - continuação das obras na sacristia e solar; data da caixa de esmolas; 1736 - o instituidor doa várias propriedades, lameiros de centeio ( 40 alqueires ) para o enriquecimento da fábrica da capela; 1742 - D. João V legitimou a filha do proprietário do solar, Úrsula Matildes Angélica, fruto de uma relação que manteve, em Vila Rica, com uma escrava negra; 1758 - referência da imagem de São José no retábulo da capela-mor; 1789 - morte de Úrsula Matildes Angélica de Figueiredo Monterroio, sem descendência, passando o solar para uns primos; 1857 - era proprietária Maria Bernarda de Ataíde Pimentel Castelo Branco Monterroio, como consta num ex-voto; após o seu falecimento a casa permaneceu desabitada e caiu em ruína; foi seu herdeiro António de Sousa Rebelo que legou o usufruto a seu irmão Albino de Sousa Rebelo e a posse a suas sobrinhas D. Maria Amélia Queirós de Sousa e a D. Maria Filomena Queirós de Sousa; 2004 - 2005 - encontra-se em venda; 2006 - aquisição do solar por uma empresa da área do turismo

Dados Técnicos

Paredes autoportantes; retábulos de talha dourada, com o ouro aplicado pelo método do brunido.

Materiais

Estrutura de cantaria granítica, aparente na capela e fachada posterior do solar e rebocada e pintada de branco na torre e frontaria do solar; molduras dos vãos, conversadeiras e outros elementos igualmente em cantaria granítica; retábulos, coro-alto, púlpito e paredes internas da abside da capela em talha dourada e policromada, em madeira de castanho; tectos de madeira, o da capela pintada e alguns do solar entalhados, dourados e pintados; telas pintadas; pavimentos de madeira ou em lajes graníticas; portas de madeira; janelas de vidro; gradeamentos de ferro; coberturas exteriores em telha de canudo e marselha.

Bibliografia

CARDOSO, Padre Luiz, Dicionário Geographico, Lisboa, 1747, vol. XLIII, p.333; LEAL, Pinho, Portugal Antigo e Moderno, Lisboa, 1873; Almanach e Annuario de Trancoso, 1915, 1916, 1917 e 1933; MOREIRA, David Bruno Soares, Terras de Trancoso, s.l., s.d.; Gente de Trancoso - estudos históricos, s.l., 1924; Tempos que não voltam mais, s.l., 1927; Uma lembrança do Brasil no Solar da Torre do Terrenho entre Trancoso e Moreira de Rei..., in O Século, Lisboa, 7 Novembro 1947; BIGOTTE, José Quelhas, O Culto de Nossa Senhora na Diocese da Guarda, Lisboa, 1948; LEITÃO, Ruben Andresen, O Solar dos Brasis, in Separata da Revista Ocidente, vol. LXXXI, Lisboa, 1971; BARROCO, Joaquim Manuel, Panoramas do Distrito da Guarda, Guarda, 1978; TEIXEIRA, Irene Avilez, Trancoso, Terra de Sonho e Maravilha, Trancoso, 1982, RAPOSO, Francisco Hipólito, Beira Alta, Lisboa, 1987; O Bandarra Almanaque - Annuario de Trancoso, Trancoso, 1988 e ss.; FIGUEIREDO, Jorge de, Trancoso - 10 anos de cultura (1986-1996), Trancoso, 1997; K4, conservação e restauro, Policromias da Capela do Solar dos Brasis: materiais e técnicas, in Monumentos, n.º 14, Lisboa, Março de 2001, pp. 106-115; Um monumento imponente - Solar dos Brasis continua esquecido, in Nova Guarda, 18 Agosto 2004; Solar dos Brasis já foi vendido, in O Interior, 10 Agosto 2006.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DSARH; DGA/TT: Chancelarias (D. João V, L.º 142, fl. 61, 72 a 73); ACMTrancoso: Livro de Registos (1720-1744)

Intervenção Realizada

DGEMN: 1999, Junho a Setembro - consolidação do ouro e policromias da talha da capela-mor. IPPAR: 2004 - consolidação do corpo da capela.

Observações

*1 - DOF: Conjunto arquitectónico constituído pela Torre do Terrenho, Casa e Capela. *2 - segundo a tradição, a Capela foi mandada construir como voto gratulatório de ter escapado ileso a uma tempestade no mar, quando regressava a Portugal, em 1705, sendo possível que o solar se destinasse a um convento franciscano, cuja instituição a morte do proprietário não viabilizou.

Autor e Data

Margarida Conceição 1992

Actualização

Lúcia Pessoa 1999
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login