Igreja Paroquial de Santa Bárbara / Igreja de Santa Bárbara

IPA.00029937
Portugal, Ilha de Santa Maria (Açores), Vila do Porto, Santa Bárbara
 
Igreja paroquial reconstruída na primeira metade do séc. 19, sobre uma igreja seiscentista, com planta retangular de nave e capela-mor, transformada em cruz latina com duas capelas colaterais, possivelmente em obras posteriores, numa solução semelhante à encontrada na Igreja Paroquial de São Pedro (v. IPA.00029936). Interiormente tem iluminação axial e bilateral e coberturas de madeira e de estuque. A fachada principal estrutura-se num pano, definido por pilastras firmadas por pináculos, terminada em frontão de cortina com volutas, coroado por cruz sobre acrotério com inscrição alusiva às obras, e é rasgada por eixo de vãos, em asa de cesto; este é formado por portal entre pilastras sustentando cornija, a formar falso alfiz, e janela, que interrompe a cornija do frontão, conferindo certa verticalidade, existindo, entre ambos, concheado e motivos vegetalistas de cantaria. À direita dispõe-se a torre sineira, de dois registos, o segundo com ventanas de arco peraltado sobre pilastras, com pano de peito rebocado e pintado, rematando em balaustrada. As fachadas laterais são rasgadas por portas travessas e janelas retilíneas, cobertas por alpendres modernos, entre vários anexos com vãos retilíneos, os da fachada esquerda com cunhais em cantaria. No interior possui coro-alto de betão, acedido pela torre, tendo no lado do Evangelho batistério com silhar e painel de azulejos alusivos ao Batismo de Cristo, da década de 1950, e vão expositivo das Coroas do Império, e no oposto uma capela lateral profunda com nicho. A nave tem o arco triunfal, de volta perfeita sobre pilastras, com intradorso rebocado e pintado, como todos os arcos do interior, ladeado por panos em ângulo com arcos a abrir para o falso transepto. Para este, abrem também as capelas colaterais, com retábulos revivalistas de linguagem barroca, diferentes entre si, de corpo reto e um eixo. O retábulo-mor é revivalista de linguagem barroca, de feitura recente, em talha pintada e dourada, de corpo reto e três eixos, reaproveitando o sacrário da antiga estrutura retabular.
Número IPA Antigo: PT072107020011
 
Registo visualizado 516 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta em cruz latina, composta por nave, capela-mor mais estreita, transepto, capelas colaterais e diversos corpos adossados de ambos os lados, correspondendo, nomeadamente, na esquerda, ao batistério, sacristia e alpendre, e na direita, à torre sineira quadrangular e alpendre. Volumes articulados com coberturas diferenciadas em telhados de duas águas na igreja e de uma nos restantes corpos adossados, rematados em beirada dupla. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, a principal virada a oeste, percorrida por soco de cantaria, terminada em frontão de cortina, definido por volutas, coroado por cruz latina biselada, sobre acrotério inscrito, e de cunhais apilastrados, coroados por pináculos tipo pera sobre plintos paralelepipédicos; sob o remate do frontão surge flor-de-liz em cantaria relevada. A fachada é rasgada por eixo de vãos, formado por portal, em arco em asa de cesto, enquadrado por duas pilastras laterais sustentando cornija e coroadas por pináculos, seccionadas por cornija ao nível da bandeira do portal, e por janela de igual modinatura, tendo inferiormente concheado e folhagens laterais; a moldura da janela interrompe a cornija do frontão do remate, que acompanha o seu perfil. No alinhamento da fachada surge, à direita, a torre sineira, de dois registos separados por cornija, o primeiro rasgado por janelo retangular e o segundo, em cada uma das faces, por ventana em arco peraltado sobre pilastras, e com pano de peito rebocado e pintado de branco; a estrutura remata em cornija e balaustrada de balaústres quadrangulares, tendo nos cunhais acrotérios gravados com cruz e sustentando pináculos tipo balaústre. Fachadas laterais rasgadas na nave por porta travessa de verga reta e janela retangular, protegidos por alpendre retangular com cobertura de madeira, sobre travejamento. Na lateral esquerda, percorrida por soco de cantaria e com os vários corpos de cunhais em cantaria, o batistério, a oeste, termina em meia empena e é rasgado por janela quadrangular e, a norte, tem painel de azulejos policromos. O corpo adossado é rasgado por duas portas de verga reta e duas janelas de peitoril, de molduras simples. Na lateral direita, os corpos são desiguais, sendo um rasgado por janela retangular sem moldura e um dos anexos por duas outras molduradas; na capela-mor abre-se janela retangular. Fachada posterior cega com capela-mor terminada em empena. INTERIOR com as paredes rebocadas e pintadas de branco, a nave com pavimento cerâmico e cobertura de masseira, em madeira, sobre travejamento. Coro-alto de betão com guarda em balaústres torneados, acedido por porta de verga reta, no lado da Epístola, a partir da torre sineira. No sub-coro, dispõem-se, de ambos os lados, pias de água benta modernas, achatadas. No lado do Evangelho, abre-se arco de volta perfeita, sobre pilastras, de acesso ao batistério, interiormente com painéis de azulejos, azuis e brancos, formando silhar, de moldura recortada, com cartelas concheadas contendo símbolos do Espírito Santo, tendo na parede testeira painel de azulejos, azuis e brancos, com representação do Batismo de Cristo. Ao centro, dispõe-se pequena pia batismal, de taça hemisférica gomeada, sobre pé cilíndrico canelado. No mesmo lado abre-se vão retangular alto, envidraçado, interiormente albergando Coroa do Espírito Santo. No lado da Epístola existe capela lateral profunda, acedida por arco de volta perfeita sobre pilastras, tendo na parede testeira nicho em arco em asa de cesto, assente em mísula de cantaria. A nave possui os topos truncados e rasgados por arcos de volta perfeita sobre pilastras, de acesso ao transepto, para cujos braços abrem as capelas colaterais, em arco de volta perfeita sobre pilastras, contendo retábulos de talha pintada, o do Evangelho dedicado ao Sagrado Coração de Maria e o da Epístola ao Sagrado Coração de Jesus. Arco triunfal de volta perfeita sobre pilastras, encimado por cartela recortada contendo o monograma "AM". Capela-mor com pavimento em lajes de cantaria e cobertura em falsa abóbada de berço, de estuque, pintado com moldura polilobada, contendo apainelado com Adoração da Custódia ladeado por apainelados com as Tábuas da Lei e outros elementos, de um lado, e mitra, cruz papal, Delta luminoso e outros elementos, de outro lado, tudo envolvido por motivos vegetalistas. Sobre supedâneo de dois degraus, dispõe-se o retábulo-mor de talha pintada de branco, rosa, azul e dourado, de corpo reto e três eixos, definidos por seis pilastras de fuste ornado por elementos vegetalistas, concheado e cartelas, sobre plintos com elementos vegetalistas. No eixo central, abre-se nicho, em arco de volta perfeita e boca rendilhada, envolvida por friso de acantos, protegido por cortina. Nos eixos laterais abrem-se nichos, em arco de volta perfeita, albergando imaginária sobre mísulas. A estrutura remata em espaldar, adaptado à cobertura, com arquivoltas de acantos ou acantos e concheados, com cabo volutado inferiormente e com fecho saliente e concheado. Sotobanco com apainelados vegetalistas tendo ao centro sacrário em talha dourada, tipo templete, com cobertura ornada de acantos, sobre colunas torsas dispostas nos cunhais, e tendo na porta custódia. Altar paralelepipédico tendo o frontal formando três apainelados decorados de acantos. Lateralmente existem dois cadeirais, com assentes individualizados e espaldar retilíneo, rematado em entablamento, um deles maior e com escabelo.

Acessos

Santa Bárbara. WGS84 (graus decimais) lat.: 36,984663; long.: -25,068439

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, isolado, no interior da povoação. Implanta-se em plataforma sobrelevada à via estruturante, adaptada ao declive do terreno, formando adro, parcialmente delimitado por muro e acedido por larga escadaria na fachada principal e na lateral esquerda. A frontaria surge virada para o denominado "Caminho Velho". No ângulo nordeste do adro e inserido no mesmo, implanta-se o Império do Espírito Santo de Santa Bárbara (v. IPA.00033886).

Descrição Complementar

No acrotério sobre o qual surge a cruz do remate da fachada principal, surge a inscrição "F E.. DE / 1826". Na fachada norte do batistério, existe painel de azulejos policromo com representação da Aparição de Nossa Senhora de Fátima aos pastores, com a inscrição "N.ª Srª / de / Fátima", e, no canto esquerdo "MÓSDECOR"; inferiormente tem painel com as datas "1917-2007". Na parede do lado do Evangelho, junto ao batistério, existem duas lápidas, uma em acrílico com a inscrição "A 28 de Janeiro de 2007 / o Venerando Bispo desta Diocese / D. António de Sousa Braga / abençoou os trabalhos de / restauro desta Igreja Paroquial / de Santa Bárbara"; uma outra, em mármore, tem a inscrição "DO POVO DE SANTA BÁRBARA / EM RECONHECIMENTO AO PÁROCO / PADRE ABEL JOAQUIM MARTINS MAIA / PELO SEU EMPENHAMENTO E / ESPÍRITO DE ENTRE AJUDA / NA RECONSTRUÇÃO DESTA PAROQUIAL. / 28-01-2007". A capela colateral do Evangelho tem retábulo pintado de bege e dourado, de corpo reto e um eixo, rasgado por nicho, em arco de volta perfeita, interiormente pintado de azul e albergando imaginária, parcialmente seccionado por quatro colunelos coroados por acantos e o nicho enquadrado por acantos. Altar paralelepipédico, com frontal ornado por dois losangos. A capela colateral da Epístola, dedicada ao Sagrado Coração de Jesus, possui arco de volta perfeita sobre pilastras, revestido a talha pintada de branco e dourado, ornado com almofadados retangulares. Alberga retábulo também em talha pintada de branco e dourado, de corpo reto e um eixo definido por duas pilastras ornadas de elementos vegetalistas e duas colunas, pintadas a marmoreados fingidos bege, sobre plintos almofadados, e de capitéis estilizados, prolongadas por fragmentos de cornija e arquivolta exterior ornada de acantos. Ao centro abre-se nicho em arco de volta perfeita, interiormente pintado de azul, contendo imaginária; sotobanco com apainelado ornado de elementos vegetalistas. Altar paralelepipédico com frontal igual à capela oposta.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Angra)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

FÁBRICA DE AZULEJOS: Aleluia (1964); MÓSDECOR (séc. 20). RESTAURADOR: Casa Francelos (1964).

Cronologia

Séc. 16 - época provável da construção de um primeiro templo; 1537, 13 março - data do testamento de João Tomé, o "Amo", onde consta a primeira referência ao templo; segundo Gaspar Frutuoso, o seu primeiro cura é o micaelense Bartolomeu Luiz; 1571 - 1616 - é pároco da igreja o padre Manuel Fernandes Velho, feito cativo por piratas numa incursão à ilha; no seu testamento em Tetuão (Marrocos), o padre deixa um moio e meio de trigo à Igreja de Santa Bárbara para douramento do retábulo quando esse fosse feito; 1661 - os paroquianos são fintados para se proceder à ampliação da igreja, requerendo-se à Mesa da Consciência e Ordens a oferta de um sino de 8 quintais; 1666, cerca - encomenda de uma custódia de parta, já que a existente era de madeira; 1672 - lançamento de nova finta para ampliação da igreja; 1674, maio - visita do bispo D. Frei Lourenço de Castro, que ordena ao padre vigário requerer ao provedor mandar executar a finta lançada aos fregueses e colocar em execução as obras de ampliação da igreja; 1696 - proíbe-se a realização de consoadas na sacristia na noite de Quinta-feira Santa; 1700 - o pároco tem de côngrua 10$333 e 7 moios e 19 alqueires de trigo; 1826 - data inscrita no plinto da cruz do remate da frontaria, assinalando a reforma da igreja; 1917, depois - colocação de painel de azulejos alusivos a Nossa Senhora de Fátima na fachada norte do batistério, executado por MÓSDECOR; 1964 - colocação do painel de azulejos no interior do batistério, executado na Fábrica Aleluia, em Aveiro; 2007, 28 janeiro - bênção das obras de restauro da igreja pelo bispo diocesano D. António de Sousa Braga; colocação de pequeno painel de azulejos na fachada norte do batistério; época provável da feitura dos retábulos.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em alvenaria de pedra rebocada e caiada; soco, cunhais, pilastras, frisos, cornijas, molduras dos vãos, cruz e pináculos em cantaria aparente; portas de madeira; vidros simples; pavimento cerâmico e em cantaria; cobertura de madeira ou em estuque, pintado; retábulos de talha pintada; coro-alto de betão; painéis de azulejos azuis e brancos ou policromos; lápide em acrílico e mármore; cobertura em telha de meia-cana tradicional.

Bibliografia

CARVALHO, Manuel Chaves - Igrejas e Ermidas de Santa Maria, em Verso. Vila do Porto: Câmara Municipal de Vila do Porto, 2001; COSTA, Carreiro da - «História das Igrejas e Ermidas dos Açores». Jornal Açores. Ponta Delgada, 1955; FIGUEIREDO, Jaime de - Ilha de Gonçalo Velho: da descoberta até ao Aeroporto. 2ª. ed.. Vila do Porto: Câmara Municipal de Vila do Porto, 1990; Igreja de Santa Bárbara (http://www.inventario.iacultura.pt/smaria/vilaporto_fichas/11_59_58.html), [consultado em 25 novembro 2015]; Igreja de Santa Bárbara (Santa Bárbara), (http://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_de_Santa_Bárbara_(Santa_Bárbara)), [consultado em 25 novembro 2015]; MENDES, Hélder Fonseca (dir.) - Igrejas paroquiais dos Açores. Angra do Heroísmo: Boletim Eclesiástico dos Açores, 2011; MONTEREY, Guido de - Santa Maria e São Miguel (Açores): as duas ilhas do oriente. Porto: edição do autor, 1981.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: 1950, final da década - obras de restauro e conservação por iniciativa do então pároco, Cláudio de Medeiros Franco; 1956 - restauro da imagem de Nossa Senhora da Conceição, pela Casa Francelos, de Braga.

Observações

*1 - A festa da padroeira tem lugar em dezembro, com missa e procissão.

Autor e Data

Bruna Valério 2013 (no âmbito da parceria IHRU / Diocese de Angra) / Paula Noé 2015

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login