Bairro dos Arneiros

IPA.00029208
Portugal, Leiria, Caldas da Rainha, União das freguesias de Caldas da Rainha - Santo Onofre e Serra do Bouro
 
Conjunto arquitetónico residencial multifamiliar. Habitação económica de promoção pública estatal (IGAPHE). Conjunto de média dimensão composto por edifícios multifamiliares em banda de quatro pisos, formando quarteirões abertos.
Número IPA Antigo: PT031006160064
 
Registo visualizado 377 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto arquitetónico  Edifício  Residencial multifamiliar  Habitação económica  Promoção pública estatal (FFH / IGAPHE)  

Descrição

Bairro constituído por seis blocos de quatro pisos cada, com quatro frações por piso, perfazendo um total de de 96 frações habitacionais. Os blocos encontram-se individualizados por cores: bloco 1 - verde; bloco 2 - verde seco; bloco 3 - azul; bloco 4 - vermelho; bloco 5 - amarelo e bloco 6 - rosa. Os lotes 1, 2 e 3, construídos na primeira fase apresentam a estrutura saliente nos paramentos, ao contrário dos lotes 4, 5 e 6, construídos na segunda fase, em que os paramentos são lisos. No interior do bairro existe uma zona vedada para secagem de roupa com um estendal comum.

Acessos

Rua José Natário

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano. Diferenciado da restante malha urbana pela sua tipologia construtiva. O bairro situa-se no quadrante O. do aglomerado.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Não aplicável

Utilização Actual

Não aplicável

Propriedade

Privada: Pessoas singulares / Pública: Estatal de administração indireta

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

1969, 28 maio - o Decreto-Lei n.º 49033, cria o Fundo de Fomento da Habitação (FFH), sob a forma de organismo com autonomia administrativa e financeira, com o propósito de inserir o fomento de habitação social na política de equipamento e integrar a política nacional de habitação com o planeamento urbano, contribuindo para a resolução do problema habitacional dos indivíduos não beneficiados pelas Caixas de Previdência ou outras instituições semelhantes; para o FFH, passam todas as atribuições do Ministério das Obras Públicas em matéria de habitação, até aí confiadas à Direção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN) e também as competências do Gabinete de Estudos de Habitação, inserido na Direção-Geral dos Serviços de Urbanização (DGSU); 1980, década - construção do bairro; 1982, 29 maio - o Decreto-Lei n.º 214/82 extingue o FFH; o processo prolonga-se até 1987, período durante o qual a gestão do património do FFH está a cargo da Comissão Liquidatária do Fundo de Fomento da Habitação; 1987, 26 fevereiro - criação do Instituto de Gestão e Alienação do Património Habitacional do Estado (IGAPHE) pelo Decreto-Lei n.º 88/87, assumindo as funções do FFH; 1988 - primeira fase de construção do bairro com a edificação dos lotes 1, 2 e 3; 1990 - segunda fase de construção do bairro com a edificação dos lotes 4, 5 e 6; 2002, 5 novembro - fusão do IGAPHE com o Instituto Nacional da Habitação (INH) através do Decreto-Lei n.º 243/2002; 2007, julho - com a criação do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) a propriedade do bairro passa para este novo organismo; 2009, agosto - incêndio no rés-do-chão C do bloco 2.

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: SIPA

Documentação Administrativa

IHRU (Bairro n.º 2130)

Intervenção Realizada

IGAPHE: década de 1990 - aplicação de isolamento pelo exterior dos paramentos nas empenas.

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Teresa Ferreira 2010

Actualização

Anouk Costa 2014
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login