Igreja Paroquial de Covas / Igreja de São João Evangelista

IPA.00027913
Portugal, Porto, Lousada, União das freguesias de Figueiras e Covas
 
Arquitectura religiosa, seiscentista e oitocentista. Igreja paroquial de planta rectangular composta por nave, capela-mor, com anexos e torre sineira adossados à fachada lateral direita, tendo coberturas interiores diferenciadas, em cinco panos apainelados na nave, de feitura recente, e em falsa abóbada de berço pintada, na capela-mor, sendo a decoração tardo-barroca, datável do início do séc. 19; é iluminada uniformemente, por frestas rasgadas nas fachadas laterais. Fachada principal em empena, com os vãos rasgados em eixo, composto por portal de verga recta e óculo circular. Torre sineira de construção seiscentista, com cobertura em coruchéu bolboso, de feitura mais tardia, no séc. 19. Fachada lateral esquerda com porta travessa de verga recta. Interior com coro-alto, de execução recente, com baptistério no sub-coro, no lado do Evangelho, possuindo retábulos laterais de talha policroma, de feitura novecentista. Arco triunfal de volta perfeita, assente em pilastras toscanas e capela-mor com retábulo de talha dourada, do estilo barroco nacional, de planta recta e três eixos
Número IPA Antigo: PT011305070023
 
Registo visualizado 270 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta rectangular composta por nave e capela-mor, com dois anexos e torre sineira adossados à fachada lateral direita, de volumes articulados e escalonados com coberturas diferenciadas em telhados de uma (anexo), duas (templo) e três águas (anexo), sendo em coruchéu bolboso na torre sineira. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, flanqueadas por cunhais salientes, também eles rebocados e pintados de branco, encimados por pináculos piramidais almofadados, e rematadas em frisos de betão. Fachada principal virada a S., com soco e cunhais salientes, rematando em empena com cruz latina no vértice. É rasgada por portal de verga recta encimado por óculo oval. No lado direito, a torre de dois registos definidos por friso e beirada simples, o inferior cego na face principal, e o superior com quatro ventanas em arcos de volta perfeita e molduras salientes de cantaria; remata em friso e cornija, com pináculos bojudos, que centram relógios circulares nas faces O. e S.; na face E. tem porta de verga recta no registo inferior. Fachada lateral esquerda rasgada, no corpo da nave, por porta travessa de verga recta e duas frestas, surgindo uma terceira fresta no corpo da capela-mor. Fachada lateral direita marcada pela torre sineira e pelas respectivas escadas de acesso, em cantaria de granito e guarda metálica, que leva a uma porta de verga recta, de ligação ao coro-alto. Possui dois corpos adossados, o do lado esquerdo rasgado por janela jacente e o direito por porta e janela rectilíneas. Sobre os corpos, são visíveis três frestas do templo, duas no corpo da nave e um na capela-mor. Fachada posterior em empena cega, com cruz latina no vértice. Sobre esta, é visível a empena do arco triunfal, também ela com cruz latina. INTERIOR rebocado e pintado de branco, com cobertura de cinco panos apainelados, assente em cornija rebocada e pintada de branco e reforçado por tirantes metálicos, e pavimentos em ladrilho cerâmico. Coro-alto em placa de betão assente em mísulas e com guarda torneada, com acesso por porta de verga recta no lado da Epístola, através da torre sineira. No lado do Evangelho, baptistério com acesso por arco de volta perfeita, com cobertura em falsa abóbada de berço, rebocada e pintada de branco, possuindo um nicho no lado esquerdo; possui pia baptismal em cantaria de granito, assente em coluna toscana e com pequena bacia circular. Confrontantes, duas mísulas de cantaria com imaginária e, junto à do Evangelho, um órgão eléctrico com caixa de madeira. O espaço da nave encontra-se seccionado por presbitério elevado por um degrau, onde surgem, confrontantes, as capelas laterais, dedicadas ao Sagrado Coração de Jesus (Evangelho) e Nossa Senhora de Fátima (Epístola). Arco triunfal de volta perfeita, assente em pilastras toscanas, rebocadas e pintadas de amarelo, encimado por sanefão de talha polícroma e dourada, ornado por rosetões e acantos. Dois degraus alcatifados acedem à capela-mor, com paredes rebocadas e pintadas de branco, chão revestido a alcatifa vermelha e cobertura em falsa abóbada de berço de madeira pintada, assente em cornijas com marmoreados fingidos. Sobre supedâneo de um degrau, o retábulo-mor, de talha dourada e pintada na zona das colunas, de planta recta e três eixos definidos por seis colunas torsas, decoradas por pâmpanos, assentes em plintos paralelepipédicos com decoração figurativa e fitomórfica relevada, e em consolas de talha em branco, prolongando-se as colunas em três arquivoltas torsas, unidas por aduelas no sentido do raio, criando apainelados decorados com acantos. Os plintos internos das colunas possuem figuras em relevo, representando, no lado do Evangelho, o orago, São João Evangelista, e, no oposto, Cristo Redentor. Ao centro, ampla tribuna de volta perfeita, com o fundo pintado de bege e contendo trono expositivo de cinco degraus. É ladeada por mísulas com imaginária. Altar paralelepipédico, ornado por elementos fitomórficos, sobre o qual surge, embutido, o sacrário, encimado por falsa cúpula dourada e com a porta decorada por elementos eucarísticos. A ladear o altar, portas de acesso à tribuna, a qual possui vestígios de reboco, indicando a existência primitiva de pintura. Ao centro da capela-mor, mesa de altar de talha em branco, rectangular, sustentada por colunas com motivos fitomórficos em falsas espiras.

Acessos

EN207. WGS84 (graus decimais) lat.: 41,289286; long.: -8,315502

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Peri-urbano, isolado, implantado em terreno inclinado, sobre plataforma artificial de planta ovalada, sustentada por muros em alvenaria rebocada e pintada de branco, com acesso lateral para veículos automóveis e acessos frontal e posterior por escadaria que vence o desnível. O adro encontra-se parcialmente alcatroado, com calçada na zona junto ao imóvel e possui algumas árvores. Em frente ao imóvel, a calçada desenha uma cruz sobre plinto. Surge junto à AE que liga Ermida a Lousada, rodeado por terrenos de cultivo e algumas casas de habitação dispersas, estando, a NO., o Cemitério e, a N., um pequeno oratório dedicado a Nossa Senhora de Fátima, formando uma pequena rotunda.

Descrição Complementar

As capelas laterais possuem estruturas retabulares idênticas, de talha pintada de bege, azul e dourado, de planta recta e um eixo definido por duas pilastras com fustes ornados por acantos e assentes em plintos paralelepipédicos com o mesmo tipo de decoração. Ao centro, nicho de volta perfeita, ladeado por duas mísulas com imaginária, envolvidos por moldura e rematados por falsos baldaquinos de enrolamentos e acantos. Remata em frontão semicircular, encimado por acantos e possui altar paralelepipédico tripartido e pintado, sobre o qual surge, na estrutura do lado do Evangelho, sacrário parcialmente embutido, rematado por lambrequins e com a porta decorada por alfaias eucarísticas. A cobertura da capela-mor é pintada, com fundo de marmoreados fingidos, envolvido por barra vermelha, que centram um painel recortado ornado por acantos, enrolamentos e mascarões, representando a imagem do orago. É envolvido por decoração fitomórfica, mascarões, cartelas e albarradas.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese do Porto)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ENTALHADOR: Pedro Coelho (1696). PINTOR-DOURADOR: João de Sousa (1700).

Cronologia

1258 - as "Inquirições" indicam que o padroado era do Bailiado de Leça da Ordem Hospitalária e da apresentação da mitra primacial; séc. 17 - construção da actual igreja; 1696, Julho - data da celebração do contrato entre o entalhador, Pedro Coelho e a Confraria do Santíssimo de São João de Covas, para a elaboração do retábulo-mor, pelo valor de 100$000, financiados pelo pároco da freguesia João de Almeida; o documento refere alguns dos elementos estipulados para o retábulo, como a inclusão das imagens de São João Evangelista, São João Baptista e seus respectivos atributos característicos, no soco das colunas do meio; 1697 - data da conclusão do retábulo; 1700, 24 Outubro - nesta data a obra de douramento que ficou a cargo do mestre-pintor João de Sousa, já se encontrava executada; 1706 - segundo o Padre Carvalho da Costa, a igreja é abadia do padroado do Bispo do Porto, com reserva do Balio e rende 220$000; a povoação tem 70 vizinhos; 1758, 26 Maio - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco José António Ferreira, é referido que a paróquia se ecnontra no meio da freguesia, tendo por orago São João Evangelista, com imagem no altar-mor; tem outros dois altares, dedicados a São Sebastião e a Nossa Senhora do Rosário; tem a Confraria do Santíssimo, a de Nossa Senhora do Amparo e das Almas; o pároco é abade com apresentação alternativa da Diocese de Braga e do Balio de Leça, rendendo 300$000; séc. 19 - reforma do imóvel, com reconstrução da torre sineira e pintura da cobertura da capela-mor; séc. 20 - execução dos retábulos laterais da nave e reforma do retábulo-mor.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em alvenaria de granito com paramentos rebocados e pintados de branco; estrutura do coro-alto em betão; modinaturas, mísulas, pia baptismal, escada da torre sineira em cantaria de granito; guarda do coro-alto, retábulos, sanefão e coberturas de madeira; pavimento em ladrilho cerâmico; guarda da escada metálica; cobertura exterior em telha cerâmica.

Bibliografia

BRANDÃO, Domingos de Pinho, Obra de talha dourada, ensamblagem e pintura na cidade e na Diocese do Porto - Documentação, vol. I (séculos XV a XVI), Porto, Diocese do Porto, 1984; COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza..., Lisboa, Valentim da Costa Deslandes, 1706, tomo I; LEAL, Augusto Pinho, Portugal antigo e moderno: Diccionario geographico, estatistico, chorographico, heraldico, archeologico, historico, biographico e etymologico, Lisboa, Livraria Editora de Mattos Moreira & Companhia; 1873-1890, 12 volumes; LOPES, Eduardo Teixeira, Lousada e as suas freguesias na Idade Média, Lousada, Câmara Municipal de Lousada, 2004; www.cm-lousada.pt, 1 de Outubro de 2009.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Diocese do Porto: Secretariado Diocesano de Liturgia

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 12, n.º 437, fl. 2993-3000)

Intervenção Realizada

DGEMN: 1941 - Obras de conservação, reparação, beneficiação, limpeza e restauro.

Observações

Autor e Data

Ana Filipe 2009 / Diocese do Porto e Paula Figueiredo (IHRU) 2011 (no âmbito da parceria IHRU / Diocese do Porto)

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login