Igreja Paroquial de Alvarenga / Igreja de Santa Maria

IPA.00027908
Portugal, Porto, Lousada, União das freguesias de Silvares, Pias, Nogueira e Alvarenga
 
Arquitectura religiosa, seiscentista e tardo-barroca. Igreja paroquial de planta rectangular composta por nave e capela-mor mais estreita, tendo sacristia adossada ao lado direito, com coberturas interiores diferenciadas, datadas do séc. 20, em falsas abóbadas de berço abatido, em madeira, e iluminação interior pouco uniforme, com domínio da entrada de luz do lado S., onde surgem três janelas, surgindo apenas uma no lado oposto, todas em capialço e seiscentistas. Fachada principal em empena truncada por sineira de volta perfeita e remate em cornija e frontão semicircular, com os vãos rasgados em eixo, composto por portal de verga recta e remate em frontão de lanços, e por óculo circular. Possui um esquema semelhante ao existente nas Igrejas Paroquiais de Torno (v. PT011305250054) e Macieira (v. PT011305120041). Fachadas com cunhais apilastrados, firmados por pináculos piramidais, e rematadas em friso e cornija, a lateral direita rasgada por porta travessa de verga recta. Interior com coro-alto e baptistério no lado do Evangelho, marcado por arco de volta perfeita. Arco triunfal de volta perfeita, ladeado por capelas laterais. Sobre supedâneo novecentista, retábulo de talha pintada de branco e dourado, tardo-barroco, de planta recta, três eixos e remate em espaldar recortado.
Número IPA Antigo: PT011305010021
 
Registo visualizado 769 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Igreja de planta rectangular composta por nave e capela-mor, com sacristia adossada ao lado esquerdo, de volumes articulados e escalonados, com coberturas diferenciadas em telhados de duas águas no templo e de uma água na sacristia, rematadas em beirada simples. Fachadas em alvenaria de granito aparente no templo e em cantaria de granito aparente em aparelho isódomo no corpo da sacristia. São percorridas por soco em cantaria de granito, flanqueadas por cunhais apilastrados, firmados por pináculos piramidais, e rematadas em friso e cornija de chanfro. Fachada principal virada a O., rematada em empena truncada por sineira no vértice, em arco de volta perfeita, assente em impostas salientes, e sobrepujada por cornija, frontão semicircular, encimado por cruz latina sobre esfera e ladeado por pináculos piramidais. É rasgada por portal de verga recta com moldura simples em cantaria e coroado por friso e frontão de lanços, interrompido por cruz latina. O portal encontra-se protegido por duas folhas de madeira almofadadas. Sobre o portal, surge óculo circular com moldura simples em cantaria de granito. Fachada lateral esquerda rasgada por janela em capialço no corpo da nave, sendo marcada pelo corpo da sacristia, rasgada por duas frestas, também em capialço. dois vãos pequenos e na nave um de maiores dimensões. Fachada lateral direita rasgada por portal de verga recta e moldura simples em cantaria, protegido por duas folhas de madeira almofadadas, ladeada por duas janelas em capialço, surgindo uma terceira no corpo da capela-mor. Fachada posterior em empena cega, com cruz latina sobre plinto paralelepipédico no vértice, ladeada pelo corpo da sacristia, em meia-empena e rasgado por porta de verga recta. Sobre a empena do arco triunfal, é visível uma cruz latina assente em plinto paralelepipédico e esfera. INTERIOR rebocado e pintado de branco, com a nave coberta por falsa abóbada de berço abatido, em madeira, assente em pequena cornija do mesmo material, e pavimento em soalho encerado, excepto no sub-coro em lajeado de granito. Coro-alto em betão, rebocado e pintado de branco, com guarda de madeira torneada, tendo acesso por escadas no lado da Epístola. No lado oposto e no sub-coro, um vão em arco de volta perfeita e moldura em cantaria, constituindo o baptistério, possuindo pia baptismal de granito, assente em plinto e pequena coluna, com taça facetada, assente em elemento troncopiramidal invertido. Possui tampa de madeira. A ladear o portal, pia de água benta embutida na parede, em quarto de esfera e com bordo boleado e saliente. Confrontantes, surgem duas capelas laterais, inseridas em arcos de volta perfeita em cantaria de granito e assentes em pilastras toscanas, a do lado da Epístola antecedida por estrado de madeira. No mesmo lado, um órgão eléctrico. Arco triunfal de volta perfeita e de perfil irregular, assente em pilastras toscanas e tendo no extradorso uma inscrição. Capela-mor elevada por um degrau com paredes e cobertura semelhantes às da nave, a segunda marcada por painel ovalado, pintado com a imagem do orago; pavimento em lajeado de granito. Sobre supedâneo de dois degraus laterais, surge o altar-mor, composto por tampo rectangular, sobre pilar em cantaria de faces almofadadas, ladeado por um ambão e por um porta círio. Retábulo-mor de talha pintada de branco, com elementos decorativos dourados, de planta recta e três eixos definidos por quatro colunas de fuste liso e percorridas por falsas espiras fitomórficas, com capitéis coríntios e as exteriores assentes em plintos paralelepipédicos, com as faces ornadas por elementos vegetalistas. No eixo central, tribuna de perfil contracurvo e moldura saliente, contendo trono expositivo de cinco degraus, decorados por elementos vegetalistas. Os eixos laterais possuem mísulas de madeira com imaginária. A estrutura remata em espaldar central recortado, ornado por acantos, festões e fragmentos de cornija, inscrito em tímpano semicircular, adaptado à estrutura da cobertura. Possui altar paralelepipédico, com o frontal decorado por apainelado com os ângulos recortados e decorado com elementos vegetalistas, sobre o qual surge sacrário embutido, ladeado por quarteirões e rematado em cornija, tendo a porta ornada por cruz latina envolvida por resplendor. No lado do Evangelho, uma porta de verga recta acede à sacristia, onde surge lavabo com acesso ao reservatório semicircular e marcado por bica em forma de carranca, em cantaria de granito.

Acessos

WGS84 (graus decimais) lat.: 41,293928; long.: -8,268338

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Peri-urbano, isolado, implantado num dos extremos de um pequeno adro, de planta triangular, protegido por murete em cantaria de granito, com acessos por dois vãos amplos, flanqueados por pilares rematados por silhar em ponta de diamante. Está rodeado por uma via pública, nas imediações das portagens da auto-estrada Ermida - Lousada. O adro encontra-se pavimentado a lajeado, contendo alguns edifícios paroquiais e pontuado por pequenos canteiros de flores e por árvores de pequeno porte. Nas imediações, surgem terrenos de cultivo e uma série de estruturas de armazenamento, formando vários tipos de espigueiros.

Descrição Complementar

No extradorso do arco, a inscrição: "Ó MARIA CONCEBIDA SEM PECADO".

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese do Porto)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 / 18 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1258 - a igreja de Alvarenga era pertença dos filhos e netos de D. Elvira Viegas (filha de D. Egas Moniz, seu anterior senhor) e a apresentação do padre pertencia ao arcebispo de Braga; séc. 17 - construção do actual edifício; 1706 - segundo o Padre Carvalho da Costa é uma reitoria apresentada pelo Bispo do Porto, rendendo 40$000; está anexa a uma Comenda da Ordem de Cristo, à qual renda, com a sua anexa de Vila Garcia, 180$000; a povoação tem 16 vizinhos; 1758, 20 Maio - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo reitor José Álvares da Silva, pelo abade João de Beça Ferreira e pelo vigário Manuel António, de Santa Cristina de Nogueira, igreja anexa, é referido que a igreja tem três altares, o mor, com a imagem da padroeira e de São Sebastião, surgindo, no colateral do Evangelho, o de Nossa Senhora do Rosário, com confraria e festa a 8 de Setembro, no mesmo dia em que se festeja o orago, e, no lado oposto, o altar do Menino Deus, com confraria e festa no dia da Natividade; a paróquia é uma reitoria da apresentação da Comenda pertencente a D. Pedro, Marquês de Angeja; a povoação tem 42 fogos; mencionam a existência de duas capelas hoje desaparecidas, a de São Roque e São Lourenço; 1788 - nas Memórias Paroquiais da Freguesia surge um inventário das peças e ornamentos da fábrica da capela-mor da Igreja de Santa Maria de Alvarenga; séc. 18, final - execução do retábulo-mor; 1873 - execução de uma imagem do Sagrado Coração de Jesus; 1882 - A paróquia, até então da arquidiocese primacial, passa para a diocese do Porto; 1911, 16 Junho - data do inventário dos bens da freguesia de Alvarenga, assinado por Eduardo Vieira de Melo da Cunha Osório, por António da Costa Moura, elemento da junta de paróquia, e pelo escrivão da fazenda Eduardo Espinal de Sousa; séc. 20 - construção do coro-alto.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em alvenaria e cantaria de granito, com as juntas preenchidas a cimento; modinaturas, ambão, porta-círio, pilastras, pavimentos, supedâneo, lavabo em cantaria de granito; coro-alto de betão; guarda do coro-alto, coberturas, portas de madeira; cobertura exterior em telha.

Bibliografia

COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza..., Lisboa, Valentim da Costa Deslandes, 1706, tomo I; LEAL, Augusto Pinho, Portugal antigo e moderno: Diccionario geographico, estatistico, chorographico, heraldico, archeologico, historico, biographico e etymologico, Lisboa, Livraria Editora de Mattos Moreira & Companhia; 1873-1890, 12 volumes; LOPES, Eduardo Teixeira, Lousada e as suas freguesias na Idade Média, Lousada, Câmara Municipal de Lousada, 2004; http://www.cm-lousada.pt/NR/rdonlyres/AD557833-090E-4331-AA22-175CA3830373/25036/patrimonio.pdf, Fevereiro de 2009.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Diocese do Porto: Secretariado Diocesano de Liturgia

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais, 1758 (vol. 3, n.º 38, fl. 297-300); Arquivo Distrital do Porto: Inventário de peças e ornamentos (cota: E/12/2/3-9.8)

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: 2008 - obras de conservação da igreja, conservação de 11 imagens de santos e arranjos exteriores onde se incluiu a colocação de portas novas.

Observações

Autor e Data

Ana Filipe 2009 / Diocese do Porto e Paula Figueiredo (IHRU) 2011 (no âmbito da parceria IHRU/Diocese do Porto)

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login