Igreja Paroquial de Gião / Igreja de Santo André

IPA.00026273
Portugal, Aveiro, Santa Maria da Feira, União das freguesias de Lobão, Gião, Louredo e Guisande
 
Igreja paroquial de fundação medieval, reconstruída na segunda metade do séc. 18 e com obras no final do 19, altura em que se fizeram as estruturas retabulares, e em meados do 20, com a construção do novo coro-alto e desativação do acesso ao primitivo, através da torre sineira. É de planta poligonal composta por nave, capela-mor, anexos adossadas, e por torre sineira de dois registos e cobertura em coruchéu piramidal, com coberturas interiores em falsas abóbadas de berço, a da nave com pintura figurativa, a representar os Evangelistas, realizada, certamente, durante as obras do séc. 20; é iluminada uniformemente por janelas retilíneas rasgadas nas fachadas laterais. Fachada principal rematada em frontão sem retorno, com os vãos rasgados em eixo, composto pelo portal axial, encimado por frontão triangular e por janelão do coro. As fachadas são rematadas por friso e cornijas, enquadradas por cunhais apilastrados, firmados por pináculos, a lateral esquerda com porta travessa. Interior com coro-alto amplo, tendo, sob a torre sineira, o batistério. Arco triunfal de volta perfeita, assente em pilastras toscanas, ladeado por retábulos de talha pintada, oitocentista, Capela-mor com tribuna no lado do Evangelho, e marcada por supedâneo de degraus centrais, setecentista, tendo retábulo de talha pintada, contemporâneo dos anteriores. Possui pia batismal, de provável feitura seiscentista. Retábulo lateral de talha pintada, executado também no séc. 19.
Número IPA Antigo: PT010109090052
 
Registo visualizado 70 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta poligonal composta por nave, capela-mor, com anexos e torre sineira adossadas, de volumes articulados e escalonados com coberturas diferenciadas em telhados de duas, três e quatro águas, sendo em coruchéu piramidal revestido a azulejo policromo sobre a torre sineira. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, exceto na principal e na torre sineira revestidas a azulejo monocromo, branco, percorridas por socos de cantaria, exceto na sacristia, percorrida por faixa pintada de preto, flanqueadas por cunhais em cantaria, firmados por pináculos, e rematadas em friso e cornijas; sobre as empenas, são visíveis cruzes latinas assentes em plintos. Fachada principal virada a oeste, rematada em frontão triangular sem retorno, com a empena mais elevada que a cobertura. O corpo é rasgado por portal de verga reta, rematado em friso galbado e frontão triangular, encimado por janelão amplo em arco abatido e moldura simples. No lado esquerdo, a torre sineira, de dois registos definidos por frisos e cornijas, o inferior com janela na face norte e por porta de verga reta, acedido por escadas de cantaria e guarda metálica; no topo, quatro ventanas de volta perfeita com impostas salientes. Fachada lateral esquerda com porta travessa e duas janelas retilíneas, uma no corpo da nave e outra no da capela-mor. Tem adossado o corpo anexo, de dois registos de vãos, o inferior com porta de verga reta e, no topo, janelas de peitoril retilíneas, tendo, na face posterior porta elevada de acesso ao interior, através de escadas de cantaria. Fachada lateral direita com vãos semelhantes à oposta, tendo, no corpo da sacristia uma janela e porta na face posterior. Fachada posterior rematada em empena com dois vãos sobrepostos, uma pequena fresta e um óculo circular. INTERIOR com as paredes rebocadas e pintadas de branco, percorridas por azulejos de padrão policromo, formando silhares, com coberturas em falsas abóbadas de berço de madeira pintada, o da nave reforçado por tirantes metálicos e com a representação dos Evangelistas a centrar símbolos da Igreja; pavimento em soalho. As portas e janelas estão encimadas por sanefas de madeira pintada de branco. Coro-alto amplo, em betão e com guarda metálica, tendo acesso por escadas no lado do Evangelho. O portal axial e a porta travessa estão ladeados por pias de água benta em cantaria, embutidas no muro e de bordos boleados. No sub-coro, no lado do Evangelho, o batistério, com acesso por arco de volta perfeita e protegido por teia metálica; tem cobertura em abóbada de berço e pavimento cerâmico, contendo pia batismal, em cantaria de granito, composta por coluna do tipo balaústre e taça hemisférica ornada por folhas. No lado do Evangelho, nicho para alfaias. No lado da Epístola, a Capela do Sagrado Coração de Jesus. O arco triunfal é de volta perfeita e assenta em pilastras toscanas, encimado por sanefão de talha pintada de branco, azul e dourado, com espaldar recortado, ornado por rosetas e enrolamentos, tendo lambrequins. Está ladeado pelas capelas retabulares colaterais, dispostas em ângulo e dedicadas a Nossa Senhora da Apresentação (Evangelho) e a Nossa Senhora de Fátima (Epístola). Capela-mor com tribuna no lado do Evangelho, com bacia em cantaria e guarda metálica. Supedâneo de degraus centrais revestido a placas cerâmicas e pastilha; sobre este, mesa de altar em talha pintada de branco, azul e dourado, composta por tampo e pilares almofadados e ornados por "ferronerie". Retábulo-mor de talha pintada de branco, azul e dourado, de planta convexa e três eixos definidos por quatro colunas de fustes lisos, com o terço inferior marcado por anel, assentes em duas ordens de plintos paralelepipédicos, almofadados e os superiores ornados por entrelaçados. Ao centro, tribuna de perfil contracurvo, contendo trono de cinco degraus, encimado por baldaquino, enquadrado por pintura de fundo representando drapeados a abrir em boca de cena; a boca da tribuna é fechada por painel representando símbolos da Igreja. Os eixos laterais possuem mísulas enquadradas por apainelados retilíneos, tendo, na base, portas de acesso à tribuna. A estrutura remata em entablamento e, ao centro, por espaldar recortado. Altar em forma de urna, decorado por folhagem e encimado por sacrário embutido na estrutura, enquadrado por colinas e remate em cúpula bolbosa, sobrepujada por "Agnus Dei". Confrontantes, as portas de acesso ao anexo e à sacristia, esta contendo arcaz e lavabo em cantaria, composto por espaldar rematado em ângulo, contendo bica em forma de carranca, que verte para taça ultra-semiesférica.

Acessos

Gião, Alameda de Santo André

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Peri-urbano, isolado, implantado numa área plana, no topo de uma alameda e integrando um adro elevado relativamente à via pública, com a fachada principal virada aos campos de cultivo envolventes. O adro encontra-se envolvido por muro em alvenaria rebocada e pintada, capeado a cantaria, e com acessos frontal, este em dois socalcos, e a partir de um pequeno largo no lado direito, onde se integra a Casa Paroquial, de planta em L. O adro encontra-se acimentado e pontuado por canteiros com arbustos e árvores de médio porte. No muro norte do adro, surge um pequeno nicho em cantaria, com arco de volta perfeita e moldura saliente, enquadrado por pilastras e rematado em cornija e pequeno espaldar com cruz latina e a inscrição "1890". No interior do nicho, protegido por grades de ferro, surge um grupo escultórico em pedra e com vestígios de policromia, a representar um Calvário.

Descrição Complementar

Na FACHADA LATERAL ESQUERDA, lápide com inscrição: "Ao Ex(celentissimo) S)enho)r / Agostinho da Mota Pereira Valente / grande benemérito / desta Igreja e desta freguesia / singela homenagem / dos conterrâneos mui reconhecidos / Gião 24.11.1985". O RETÁBULO do Sagrado Coração de Jesus é de talha pintada de branco, azul e dourado, de corpo reto e um eixo definido por duas colunas de fustes lisos e com o terço inferior marcado por anel, assentes em plintos paralelepipédico, almofadados e decorados por folhagem. Ao centro, nicho de perfil contracurvo e moldura saliente, ladeado por mísulas com imaginária. A estrutura remate em friso, cornijas e pequeno espaldar ornado por acantos que centram coração inflamado. A estrutura é sobrepujada por sanefa em forma de cornija, com acantos e enrolamentos, tendo falsos lambrequins em forma de acantos clássicos. Altar em forma de urna, decorado por enrolamentos, acantos e as iniciais "CJ". Os RETÁBULOS COLATERAIS são semelhantes, de talha pintada de branco, azul e dourado, com corpo reto e um eixo definido por duas colunas coríntias, assentes em duas ordens de plintos. Ao centro, nicho de volta perfeita e moldura fitomórfica, encimado por acantos e ladeado por mísulas com imaginária. A estrutura remate em entablamento e frontão triangular. Altar em forma de urna, decorado por albarrada, encimado por sacrário embutido na estrutura, com a porta ornada por pâmpanos.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese do Porto)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 18 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Época medieval - a igreja pertence ao Mosteiro de Vila Cova das Donas (v. IPA.00026973); séc. 15 - feitura do relevo do Calvário; séc. 16 - doação do padroado da igreja ao Mosteiro de São Bento da Avé Maria, no Porto, pelo rei D. Manuel; séc. 18, 2.ª metade - construção do atual templo; 1758, 21 abril - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco Manuel Marques José, surge referida a igreja situada no meio da povoação e tendo por orago Santo André; tem três altares, o mor com o Santíssimo Sacramento e respetiva confraria, muito pobre, com as imagens de Santo André, São Bento e o Menino Jesus; no altar colateral Nossa Senhora da Assunção com irmandade de clérigos e leigos, e o de Santo António, com as imagens de São Sebastião e Santo Amaro; o pároco é abade colado, sendo nesta data, cura anual apresentado pela abadessa do Mosteiro de São Bento da Avé Maria, do Porto e tem 10$000, com um passal a render um carro e meio de pão e uma pipa de vinho verde e frutas de muitas qualidades; séc. 19 - provável feitura das estruturas retabulares e do antigo coro-alto; 1890 - data do nicho do Calvário; 1926 - data no sino; séc. 20 - construção do novo coro-alto e do respetivo acesso por escadas.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em alvenaria rebocada e pintada; socos, modinaturas, cornijas, pináculos, cruzes, pias de água benta, pia batismal em cantaria de granito; portas, coberturas e mobiliário de madeira; pavimento em soalho; pavimentos em mosaico hidráulico; guarda do coro em metal; retábulos em talha pintada; coberturas em telha cerâmica.

Bibliografia

GONÇALVES, A. Nogueira - Inventário Artístico de Portugal: Distrito de Aveiro Zona do Norte. Lisboa: Academia Nacional de Belas-Artes, 1981.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

SIPA; Diocese do Porto: Secretariado Diocesano de Liturgia

Documentação Administrativa

DGALB: Memórias Paroquiais, vol. 17, n.º 44, fls. 240 - 246

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: 2009 - tratamento de rebocos e pinturas.

Observações

Autor e Data

Paula Figueiredo 2015 (no âmbito da parceria IHRU / Diocese do Porto)

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login