Capela da Santa Casa da Misericórdia de São Vicente da Beira

IPA.00020577
Portugal, Castelo Branco, Castelo Branco, São Vicente da Beira
 
Capela da Misericórdia fundada provavelmente no séc. 17, conforme data na fachada principal, pelos moradores da vila, seguindo o compromisso da Misericórdia de Lisboa, tendo hospital. À capela, adossa-se a antiga Casa da Câmara, onde se instalaram os serviços da Misericórdia. É de planta retangular, composta por nave, capela-mor e sacristia adossada à fachada lateral direita, com coberturas interiores diferenciadas em falsas abóbadas de berço abatido de madeira, o da nave pintado com frisos de festões e reserva com a Virgem da Misericórdia e a da capela-mor em caixotões pintados com cenas da vida de Cristo. Está iluminada por janelas rasgadas nas fachadas laterais. Fachada principal rematada em empena com vãos rasgados em eixo composto por portal de verga reta e janela retilínea. Fachadas circunscritas por cunhais apilastrados firmados por pináculos e rematadas em friso e cornija, a lateral esquerda rasgada por porta travessa de verga reta. Interior com coro-alto de madeira, púlpito no lado da Epístola, tendo retábulo-mor de talha dourada do barroco inicial, de estilo nacional. Existência de registo azulejar alusivo ao Crucificado, na fachada posterior.
Número IPA Antigo: PT020502220085
 
Registo visualizado 188 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja de Confraria / Irmandade  Misericórdia

Descrição

Planta retangular composta por nave e capela-mor mais larga, de volumes articulados e com cobertura homogénea em telhado de duas águas. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, percorridas por faixa pintada de cinzento, circunscritas por cunhais apilastrados encimados por pináculos e rematadas em frisos e cornijas. Fachada principal virada a sudoeste rematada em empena alteada relativamente à cornija, coroada por cruz latina sobre plinto; é rasgada por portal de verga reta com moldura de cantaria encimada por friso e cornija simples, a que se sobrepõe janela retilínea com moldura rematada por espaldar e cornija curvos. Fachada lateral esquerda com porta travessa de verga reta emoldurada e duas janelas, uma no corpo da nave e outra no da capela-mor, ambas com os extremos curvos e pequeno friso e gradeadas. Fachada lateral direita parcialmente adossada, sendo visível uma janela semelhante às anteriores, gradeada, no corpo da capela-mor. Fachada posterior rematada em empena alteada relativamente à cornija, com cruz latina sobre plinto no vértice, cega; possui painel de azulejos a representar um "Calvário". INTERIOR com as paredes rebocadas e pintadas de branco, a nave com cobertura em falsa abóbada de berço abatido de madeira assente em cornija; está pintada de azul e friso creme, tendo um medalhão central a representar Nossa Senhora da Misericórdia; a nave tem pavimento em soalho, com corredor central em lajeado de granito. A porta travessa está ladeada por pia de água benta em cantaria de granito, embutida no muro e de decoração gomada. Coro-alto de perfil convexo, em madeira pintada de verde, com guarda balaustrada, e acesso por escadas no lado da Epístola. Junta à escada do coro, pia de água benta em cantaria de granito, em forma de cálice, composta por coluna encimada por anel cordiforme, e taça hemisférica com o interior concheado e o exterior pontuado por cordame. No lado da Epístola, surgem duas portas de acesso ao edifício anexo, onde se situa a sacristia, uma em arco de volta perfeita e outra de verga reta, ambas com moldura de cantaria. Surge, ainda, o púlpito quadrangular em talha pintada de bege, assente em mísula decorada com querubim e guarda plena, com a face frontal apresentando cartela envolvida por concheados; o acesso processa-se por pequena porta de verga reta com moldura de cantaria, a partir do corpo anexo, sobrepujada por guarda voz de perfil bolboso e decoração fitomórfica em dourado. Ainda do mesmo lado, capela lateral à face, envolvida por arco de volta perfeita, assente em pilastras toscanas e com fecho decorado por aduela estriada, dedicado a Nossa Senhora do Carmo. Arco triunfal bastante amplo, de volta perfeita assente em pilastras de fuste liso e capitéis jónicos. Capela-mor com cobertura em falsa abóbada de berço abatido, marcado por vinte caixotões pintados com cenas da vida de Cristo, reforçada por tirante metálico; pavimento em lajeado de granito. Sobre supedâneo de um degrau, em U, o retábulo-mor, de talha pintada de verde e dourada, de corpo reto, ao centro côncavo, e três eixos definidos por quatro colunas torsas decoradas com pâmpanos, assentes em consolas e duas pilastras com fuste fitomórfico sobre plintos paralelepipédicos, que se prolongam em três arquivoltas, duas torsas, unidas por aduelas no sentido do raio, constituindo o ático. Ao centro, tribuna em arco de volta perfeita, contendo peanha facetada, ornada com os instrumentos da Paixão de Cristo. Cada um dos eixos laterais é composto por nicho em arco abatido de bocas rendilhadas e fundos pintados com acantos policromos; sob estes, surgem duas portas de verga reta de acesso à tribuna e, sobre eles, surgem painéis adaptados à cobertura, decorados com acantos. Altar em forma de urna, com frontal composto por motivos fitomórficos, sobre o qual surge um nicho jacente, retilíneo.

Acessos

São Vicente da Beira, Travessa da Misericórdia; Rua da Misericórdia. WGS84 (graus decimais): lat.: 40,037443; long.: -7,560544

Protecção

Incluído na Zona de Proteção do Pelourinho de São Vicente da Beira (v. PT020502220003)

Enquadramento

Urbano, adossado à antiga Câmara Municipal, atual Junta de Freguesia e Posto de Turismo (v. IPA.00017675). Encontra-se em zona com ligeiríssimo declive, a que se adapta, integrado na malha urbana, com a qual se confunde. Encontra-se rodeado por vias públicas muito estreitas, pavimentadas a calçada, dando a fachada posterior para um largo, elevada relativamente à via, pontuado por árvores e bancos de jardim, onde se integra o Pelourinho de São Vicente da Beira. Está rodeada por casas de habitação unifamiliares, maioritariamente de dois pisos, surgindo, no lado esquerdo, uma casa em cantaria de granito aparente, tendo no lintel de uma janela a data "1665". Nas imediações, situa-se a Igreja Paroquial de São Vicente da Beira (v. IPA.00000801).

Descrição Complementar

Sobre o JANELÃO DO CORO, surge a data incisa "1643". Na FACHADA POSTERIOR, painel de azulejo figurativo azul e branco, com moldura recortada e policroma, formando rocalhas e acantos. Representa o Crucificado com Maria Madalena aos pés da cruz, tendo, no canto inferior direito, a assinatura "ALELUIA / AVEIRO"; na base da moldura, a inscrição "SENHOR / SANTO CRISTO / S(ão) VICENTE DA BEIRA" e, sob o painel, pequeno registo azulejar com a data "1953". RETÁBULO LATERAL de talha pintada de bege, azul, marmoreados fingidos e apontamento de dourado, de corpo côncavo e um eixo formado por duas colunas de fuste lisos com apontamentos fitomórficos dourados e capitéis coríntios e duas pilastras com fuste decorado por acantos, todas assentes em plintos paralelepipédicos com as faces decoradas por motivos vegetalistas; no centro, nicho com o fundo pintado de azul celeste, de perfil contracurvado, onde se inscreve uma mísula, ladeado por painéis decorados por acantos, também com mísulas inscritas. A estrutura remata em fragmentos de cornija e anjos encarnados de vulto e espaldar recortado, com concheados, "ferronerie" e pérolas, tendo cartela central. Altar paralelepipédico, com frontal decorado por cartelas com concheados, enrolamentos e acantos. COBERTURA DA CAPELA-MOR composta por dez caixotões, dispostos em duas fiadas, representando cenas da vida de Cristo com leitura cronológica, partindo do arco triunfal, surgindo nos laterais, "Cristo no Horto", "Última Ceia", "Prisão de Cristo", "Cristo perante Pilatos", "Flagelação", "Senhor da Cana Verde", "Caminho do Calvário", "Crucificação" e, nos centrais, a "Ressurreição" e "Cristo em Glória".

Utilização Inicial

Religiosa: igreja de confraria / irmandade

Utilização Actual

Religiosa: igreja de confraria / irmandade

Propriedade

Privada: Misericórdia

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 17

Arquitecto / Construtor / Autor

PINTOR DE AZULEJO: Fábrica Aleluia (1953).

Cronologia

1643 - data da edificação; séc. 18 - execução do retábulo-mor; 1758, 04 abril - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco, José Pegado de Sequeira, surge referida a existência de um hospital, administrado pela Misericórdia, que acolhe os pobres, doentes e peregrinos, visitando os doentes em sua casa na Páscoa; o hospital não tem rendas próprias; existe uma igreja da Misericórdia no meio da povoação, junto à praça, instituída pelos moradores e com autorização régia para adotarem o compromisso da Misericórdia de Lisboa; tem de renda anual 30$000, proveniente de esmolas e quotas dos irmãos, que despende na manutenção da igreja e no hospital; na capela-mor, na tribuna dourada, existe uma imagem de grande devoção do Crucificado; tem um capelão nomeado pelo provedor; tem duas irmandades; séc. 18, final - feitura do retábulo da capela lateral; 1829, 03 maio - informação de que a paróquia está a funcionar na Misericórdia, devido a obras; 1953 - pintura dos azulejos da fachada posterior pela Fábrica Aleluia, de Aveiro; 2000 - 2001 - intervenção no imóvel.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em alvenaria rebocada e pintada; cunhais, pináculos, modinaturas, frisos, cornijas, cruzes, pavimento em cantaria de granito; coro-alto, portas, pavimento, coberturas e retábulos de madeira; tirante em ferro forjado; cobertura em telha lusa; janelas com vidro simples; painel de azulejo na fachada posterior.

Bibliografia

MARCELO, M. Lopes - Beira Baixa - novos guias de Portugal. Lisboa: Editorial Presença, 1993.

Documentação Gráfica

CMCastelo Branco

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN:DSID, SIPA; Diocese da Guarda: Departamento do Património Cultural; CMCastelo Branco

Documentação Administrativa

DGLAB/TT: Memórias Paroquiais, vol. 39m n.º 153m fls. 923 a 958; CMCastelo Branco

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO/ CMCastelo Branco: 2000 / 2001 - realização de obras de restauro e conservação geral, com renovação de pavimento, das portas de acesso ao anexo, rebocos e pinturas; restauro do retábulo lateral.

Observações

Autor e Data

Luís Castro 2001

Actualização

Paula Figueiredo 2018 (no âmbito da parceria DGPC / Diocese da Guarda)
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login