Seminário de Portalegre / Museu Municipal de Portalegre

IPA.00002037
Portugal, Portalegre, Portalegre, União das freguesias da Sé e São Lourenço
 
Arquitectura educativa, barroca. Antigo seminário diocesano no qual o portal apelativo coroado por frontão contracurvado interrompido envergando, ao centro, brasão com armas episcopais e a alternância das linhas rectas e curvas na fachada que conferem dinamismo à fachada constituem elementos característicos do barroco. O edifício destaca-se pela concepção da sua fachada organizada de forma solene, tentando exteriorizar a importância das funções que albergava na sociedade do tempo.
Número IPA Antigo: PT041214090032
 
Registo visualizado 385 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Educativo  Colégio religioso  Seminário  

Descrição

Planta composta por três pisos. Piso térreo com com sala de entrada, salas de exposição, pátio interno e corredor, sala de arrumos, gabinete de telefone e escadas para primeiro piso. Primeiro andar com sala de entrada, salas de exposição, corredor central e escadas para segundo piso. Segundo andar idêntico ao primeiro andar. Volumes dispostos verticalmente; cobertura com telhado de quatro águas. Fachada principal a SO. Apresenta embasamento pintado de beije, cunhais rusticados de granito com forma de pilastras, dois registos separados por friso de granito. Registo inferior com pórtico central de granito; uma pilastra de cada lado da porta sustenta o arranque de frontão curvo interrompido; ao centro, brasão com mitra e chaves enquadrados por motivos concheados sobrepujado por pequeno frontão curvo; de cada lado da porta duas janelas com verga de granito encimadas por frontões contracurvados com pequenos pináculos nas extremidades. O registo superior apresenta dois pisos, no primeiro distribuem-se oito janelas de sacada com moldura de granito coroadas, alternadamente, por frontões curvos e triangulares, todas com pequenos balcões de granito suportados por mísulas da mesma pedra e protegidas por grade de ferro forjado; segundo piso tem janela de sacada central com moldura de granito encimada por frontão contracurvado e balcão idêntico ao do piso inferior e oito janelas, quatro de cada lado da janela de sacada, semelhantes à do piso do r/c; remate com cornija e beirado do telhado. Fachada lateral direita a SE. tem cunhais rusticados de granito e embasamento pintado, mais largo na zona direita da fachada vencendo o desnivelamento da rua, onde se abre porta com moldura pétrea; apresenta a fachada dois registos separados por friso de granito. No registo inferior abrem-se quatro janelas com moldura de granito, o superior apresenta quatro janelas de sacada coroadas, alternadamente, por frontões curvos e triangulares, balcões graníticos suportados por mísulas e grade de ferro forjado; no segundo piso podem ver-se quatro janelas com moldura e frontão contracurvado de granito, sendo a janela central da esquerda de sacada, idêntica à do piso inferior; remate com cornija e beirado do telhado. Fachada lateral esquerda a NO. apresenta embasamento pintado, cunhais rusticados em forma de pilastras e dois registos separados por friso granítico; no registo inferior abrem-se duas janelas com moldura de granito. O registo superior apresenta, no primeiro piso, três janelas de sacada, a central coroada por frontão triangular, as laterais com frontões curvos, todas com balcão de granito com grade de ferro; no segundo piso abrem-se três janelas com frontão contracurvado, sendo a central de sacada idêntica à do piso inferior. Fachada posterior a NE. voltada para pátio interno apresenta pano único. Piso térreo com porta central em arco de volta perfeita para interior, duas janelas com parapeito pétreo sobre a direita, à esquerda porta para arrumos e janela. Primeiro piso apresenta janelão central com moldura de granito coroado por frontão triangular cortado lateralmente em meia lua e decorado com medalhão central com ramagem; à direita desta abrem-se duas janelas com moldura granítica e à esquerda uma janela idêntica ao janelão central e uma janela com moldura de granito. No segundo piso distribuem-se cinco janelas com moldura de granito; remate com beirado do telhado. INTERIOR: Espaço diferenciado. Hall de entrada com planta rectangular; parede da direita com embasamento de granito, porta para sala Santa Clara e de São Bernardo com moldura de granito coroada por frontão circular; parede da esquerda idêntica à do lado oposto com porta para sala Herculano Curvelo; parede fronteira com três arcos de volta perfeita em granito; cobertura plana e pavimento em lajes de granito. Arco da direita dá acesso a patamar com porta à direita, arco de volta perfeita à esquerda, em frente lanço de escadas de granito para primeiro andar; cobertura em abóbada de cruzaria; arco central dá acesso a corredor para pátio, ultrapassando vão com moldura granítica sobrepujado por frontão acede-se ao corredor com porta à esquerda para gabinete de telefone, ao fundo porta metálica pintada de verde abre para o pátio; arco da esquerda semelhante ao do lado oposto. Sala de Santa Clara e de São Bernardo constituída por cinco salas rectangulares ligadas entre si por arcos de volta perfeita; cobertura plana e pavimento de tijoleira. Sala Herculano Curvelo constituída por seis salas, contíguas entre si três a três, ligadas por arcos abatidos; cobertura plana e pavimento de tijoleira. Patamar para primeiro piso de lajes graníticas onde terminam dois lanços de escadas simétricos, janela para pátio e lanço de escadas para porta entrada do primeiro piso com moldura de granito, de verga arqueada sobrepujada por frontão; cobertura com abóbadas de cruzaria. Primeiro piso com corredor a todo o comprimento paralelo à porta de entrada com uma janela de sacada em cada extremo; à direita da porta de entrada abre-se arco de volta perfeita em granito de onde arranca lanço de escadas para segundo piso, o corredor apresenta na parede da direita três portas com moldura granítica que se abrem respectivamente para casa de banho, gabinete de informática e gabinete da conservadora, a parede da esquerda apresenta uma porta para sala de exposição D. José; à esquerda da porta de entrada abre-se arco idêntico ao do lado oposto, duas portas na parede da esquerda para Sala Cayola Zagalo e Sala do Armário Renascentista e uma na parede da direita para Sala dos Dourados ou Sala Império, todas com moldura de granito. Frente à porta de entrada forma-se pequeno átrio com o corredor delimitado por grade de ferro à altura de um lambril; na parede da direita abre-se porta para Sala D. José, na parede da esquerda existe porta para Sala dos Dourados ou Sala Império; em frente rasgam o pano duas janelas de sacada; cobertura plana e pavimento de tijoleira. Sala Dr. Cayola Zagalo e Sala do Armário Renascentista dividem-se na articulação dos dois rectângulos que constituem o espaço; parede NO. lisa, parede NE. com três janelas, parede N. com uma janela, parede E. lisa, parede SE. com duas janelas, parede SO. com duas portas para corredor, cobertura lisa e pavimento de cortiça. Sala desocupada com duas portas na parede SO., janela a NO., três janelas na parede NE. e porta na parede SE; cobertura lisa e chão de tijoleira. Sala dos Dourados ou Sala Império tem janela a SE, três janelas a SO., porta a NO. e parede NE. lisa; tecto liso e pavimento de tijoleira. Sala D. José, rasgam-se três janelas a SO., uma a NO., porta a SE. e parede lisa a NE. Patamar para segundo piso de lajes graníticas onde terminam dois lanços de escadas simétricos, janela para pátio e lanço de escadas protegido com guarda de alvenaria decorada com duas volutas pétreas que conduz a porta com moldura de granito, de entrada do segundo piso; cobertura plana. Segundo piso com corredor a todo o comprimento paralelo à porta de entrada com uma janela de sacada em cada ponta; à direita da porta de entrada, na parede da direita do corredor existem duas portas para sala desocupada, na parede da esquerda abrem-se outras tantas portas para Sala Dr. José de Andrade Sequeira; a zona à esquerda da porta de entrada é designada por Corredor da Pintura Contemporânea, a parede da direita apresenta-se lisa e na da esquerda abrem-se duas portas para a Sala Abel Santos e Sala de Pintura. Frente à porta de entrada, a meio do corredor, forma-se um hall com três janelas na parede fronteira, parede da direita rasgada por porta para a Sala Dr. José de Andrade Sequeira e porta à esquerda para Sala da Faiança Portuguesa; pavimento de tijoleira e cobertura lisa com caixa de acesso ao sótão, que serve de arrumos, ao fundo do corredor esquerdo. Sala Dr. José de Andrade Sequeira com planta rectangular, parede SO. com três janelas, parede NO. com uma janela, parede NE. com duas portas para corredor, parede SE. com porta para hall; cobertura plana e pavimento de tijoleira. Sala da Faiança Portuguesa, parede SO. com três janelas, parede SE. com uma janela, parede NE. com uma porta, parede NO. com porta para hall; cobertura plana e pavimento de tijoleira. Sala de Pintura e Sala Abel Santos dividem-se na articulação dos dois rectângulos que constituem o espaço; parede NO. lisa, parede NE. com duas janelas, parede N. com uma janela, parede E. lisa, parede SE. com duas janelas, parede SO. com duas portas para corredor, cobertura lisa e pavimento de cortiça. Sala desocupada com duas portas na parede SO., janela a NO., três janelas na parede NE. e porta na parede SE; cobertura lisa e chão de tijoleira.

Acessos

Rua José Maria da Rosa. WGS84 (graus decimais) lat.: 39,291547; long.: -7,433573

Protecção

Em estudo / Incluído na Zona de Proteção da Sé de Portalegre (v. PT041214090002) / Incluído na Área Protegida da Serra de São Mamede (v. PT041214020015)

Enquadramento

Urbano, fachada principal voltada para fachada lateral da Sé de Portalegre, em rua com trânsito e estacionamento, fachadas laterais voltadas para ruas com trânsito automóvel, fachada posterior com pátio interno delimitado por muro alto de alvenaria adossado a casas particulares.

Descrição Complementar

Sobre a porta do piso térreo que dá para o pátio existe lápide inscrita: "Criada que foi pelo Monarca D. João III, em / 1549 a Diocese de Portalegre neste edifício se / instalou o Seminário Diocesano que havia sido / fundado por Frei Amador Arrais".

Utilização Inicial

Educativa: seminário

Utilização Actual

Cultural e recreativa: museu

Propriedade

Pública: Câmara Municipal de Portalegre

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 16, finais - fundação do edifício como Seminário diocesano por D. Frei Amador Arrais (KEIL, 1943); 1765 - o bispo D. João de Azevedo manda transformar significativamente o edifício (KEIL, 1943); séc. 20, 1ª metade - o edifício funciona como Escola Primária Normal; 1959 - 1960 - obras de remodelação; 1961 - inaugurado como museu; 1994, 08 novembro - proposto como Valor Concelhio pelo PDM de Portalegre, DR n.º 258.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes.

Materiais

Alvenaria rebocada; granito nos emolduramentos das portas, janelas e cunhais; cobertura de telha; granito nos arcos, molduras das portas e escadas; alvenaria na cobertura; granito, tijoleira e cortiça no chão.

Bibliografia

KEIL, Luís, Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Portalegre, Vol. 1, Lisboa, 1943; RODRIGUES, Jorge e PEREIRA, Paulo, Portalegre, 1988.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

CMP: 1959 - 1969 - obras de remodelação do edifício par adaptação a museu.

Observações

Autor e Data

Helena Mantas e Marta Gama 2001

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login