Igreja Paroquial de Pontével / Igreja de Nossa Senhora da Purificação

IPA.00002018
Portugal, Santarém, Cartaxo, Pontével
 
Igreja paroquial fundada na época medieval, sendo o templo do séc. 16, de que subsistem a pia batismal e a pia de água benta, esta mais adulterada, sendo o resultado da fuão de elementos de várias épocas, a zona inferior mais antiga, remodelada na segunda metade do séc. 17, de que subsistem a estrutura, o revestimento azulejar, com rica padronagem, a maior que se conhece, do tipo Marvila aplicada ao segundo registo da nave, e os retábulos de talha, do estilo barroco nacional, marcados por colunas torsas e remates em arquivoltas, o mor talvez do séc. 18, com elementos que anunciam o estilo nacional, como anjos e fragmentos de frontão. Ainda do mesmo período, a fachada, despojada, o púlpito em cantaria e guarda de balaústres, com acesso por vão em abóbada de concha, e os vestígios de pinturas murais de brutesco dourado. É de planta retangular composta por nave, capela-mor, batistério, capelas e sacristias adossadas, o interior com coberturas diferenciadas, em falsas abóbadas de berço e em masseira na nave, iluminada escassa e unilateralmente por janela rasgada na fachada lateral direita, no corpo da capela-mor. Fachada principal rematada em empena, com os vãos rasgados em eixo, composto por portal de verga reta e óculo, o primeiro reforçado por arco de descarga em tijolo. Torre sineira de dois registos, o superior com número desigual de ventanas em cada face, denotando uma feitura antiga, talvez do séc. 17. Fachada lateral esquerda com porta travessa. Interior com coro alto oitocentista, assente em colunas toscanas, batistério no lado do Evangelho e púlpito no lado oposto, surgindo duas capelas laterais, uma delas bastante profunda, a atual Capela do Santíssimo, iluminada por luz zenital e com retábulo em estuque, tardo-barroco. Arco triunfal de volta perfeita, assente em pilastras toscanas, ladeado por retábulos de talha dourada. No interior, surgem várias sepulturas epigrafadas e armoriadas.
Número IPA Antigo: PT031406040002
 
Registo visualizado 211 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta poligonal composta por nave, capela-mor e corpos anexos adossados, de volumes articulados e escalonados com coberturas diferenciadas em telhados de duas e três águas, rematadas em beiradas simples, sendo em domo na capela batismal, no corpo junto à capela-mor e na torre sineira, esta encimada por grande pináculo piramidal. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, exceto na principal e no corpo da torre sineira, em alvenaria muito pequena, em calcário, com as juntas preenchidas a argamassa. Fachada principal virada a oeste, rematada em empena regularizada por ampliação no lado direito e encimada por cruz latina no vértice. É rasgada por portal de verga reta e moldura simples, com arco de descarga em tijolo no topo, a que se sobrepõe óculo circular. No lado esquerdo o volume da capela batismal, em meia empena, com pequena cabeceira facetada no topo, rasgada por pequena fresta. No lado direito, a torre sineira de dois registos definidos por frisos, o inferior com mostrador do relógio, quadrangular, e, na face sul, uma fresta; possui seis ventanas de volta perfeita com os arcos em tijolo. A estrutura remata em frisos, cornijas e pináculos piramidais nos ângulos. Fachada lateral esquerda com porta travessa de verga reta, marcada pelos corpos anexos, o de maiores dimensões com janela e duas portas, surgindo uma segunda janela na face oeste; no lado esquerdo, corpo facetado, com pequena janela jacente. Fachada lateral direita com porta de verga reta, acedida por rampa e escadas, sendo ainda rasgada por duas frestas, surgindo uma janela retilínea no da capela-mor; no corpo adossado, janela também retilínea. Fachada posterior rematada em empena com cruz latina e pináculos no topo, rasgada por duas frestas, uma delas, jacente. INTERIOR com as paredes totalmente revestidas a azulejo de padrão policromo, com dois padrões sobrepostos, separados por barra, integrando painéis figurativos na parede sobre o arco triunfal, com a representação de São Sebastião, São Miguel, Calvário, Adoração do Santíssimo e cruzes de Malta; cobertura de madeira pintada de bege, em masseira, ostentando o escudo da Ordem de Malta; pavimento em ladrilho cerâmico. As portas estão ladeadas por pias de água benta em cantaria, a da porta travessa embutida no muro. A do portal axial assenta em base hexagonal de côncavos e convexos, onde se ergue uma coluna de espiras, encimado por dois anéis, o inferior espiralado, a sustentar a taça de decoração foliácea côncava, encimada por friso duplo de toros e botões. Coro alto assente em quatro colunas toscanas com vestígios de pintura de brutescos, duas delas embebidas na parede, assentes em plintos estriados, tendo guarda balaustrada e acesso por porá de verga reta, a partir do corpo anexo, que também liga à torre sineira. No lado do Evangelho, o acesso ao batistério, por vão de moldura contracurva e remate em cornija. O interior tem as paredes facetadas, pintadas de marmoreados fingidos, e pavimento em ladrilho. Ao centro, a pia batismal, em brecha da Arrábida, composta por plataforma octogonal, onde assenta base, escócia e toro, e a coluna de fuste curto, monolítico e com decoração de esferas e motivos vegetalistas inseridos em espiras côncavas, com capitel oitavado mas de coxim quadrado e ábaco emoldurado, que abre para receber a taça hemisférica, de perfil facetado. No lado da Epístola, o púlpito ultra semicircular, adossado ao muro e assente em mísula com guarda de balaústres e acesso por porta de moldura retilínea, rematada em cornija e que enquadra o vão em abóbada de concha; a moldura e os balaústres apresentam vestígios de pintura de grotesco dourado. Confrontantes, as capelas laterais, a do Evangelho à face e dedicada a Nossa Senhora do Rosário, sendo a do lado oposto profunda e dedicada ao Santíssimo Sacramento. A primeira está enquadrada por arco de volta perfeita assente em pilares dóricos, com seguintes em círculos, decorados por motivos vegetalistas, tendo o intradorso ornado por motivo de entrelaçados. A estrutura remata em entablamento dórico e tem o interior pintado com as ilhargas revestidas a azulejo de padrão. A Capela do Santíssimo tem acesso por arco de volta perfeita, assente em pilastras toscanas, protegida por teia de madeira e com bandeira vazada, ornada por cruzes de Malta e um "Agnus Dei". O interior encontra-se pintado de marmoreados fingidos e cobertura em falsa abóbada de berço, rebocada e pintada de branco, pontuada por estuques vegetalistas e rasgada por óculo, que permite a iluminação zenital do espaço. Arco triunfal de volta perfeita, assente em pilastras toscanas ornadas por vestígios de decoração dourada, flanqueado por capelas retabulares colaterais dedicadas a São Miguel (Evangelho) e Nossa Senhora da Purificação (Epístola). Capela-mor com cobertura em falsa abóbada de berço assente em cornijas e pintada, ostentando painéis de brutesco que centram painel com a imagem do orago; pavimento em ladrilho cerâmico, em xadrez. Sobre supedâneo de dois degraus, o retábulo-mor, de talha dourada, de corpo côncavo e três eixos definidos por quatro colunas torsas, ornadas por pâmpanos e assentes em consolas e por quatro pilastras, as exteriores ornadas por acantos e fénices e encimadas por fragmento de frontão e anjos, e as interiores por entrelaçados, que se prolongam em três arquivoltas unidas por aduelas no sentido do raio, as exteriores formando um friso de querubins e atlantes e as demais com decoração de acantos, que centram amplo friso de apainelados, formando o remate; este apresenta pedra de fecho com cartela ornada pelo escudo da Ordem, encimado por coroa e ladeado por anjos tenentes. Ao centro, tribuna de volta perfeita e boca rendilhada, contendo trono expositivo. Cada eixo lateral possui apainelados curvos, envolvidos por acantos e contendo mísula com imaginária; na base, as portas de acesso à tribuna, de madeira pintada, a imitar embutidos de mármore. Na base da tribuna, surge o sacrário embutido, facetado e desativado. Confrontantes, duas portas, uma de acesso à sacristia e outra de acesso à casa da Irmandade do Santíssimo.

Acessos

Pontével, Largo da Comenda; Rua da Igreja

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 23 014, DG n.º 198 de 01 setembro 1933 (pia batismal e pia de água benta) / IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 29/84, DR, 1.ª série, n.º 145 de 25 junho 1984 (igreja)

Enquadramento

Urbano, isolado, implantado no extremo sul da povoação, no meio de um amplo largo que estrutura as vias na zona, formando um trapézio, criando um adro aberto, pavimento a calçada e envolvido por árvores de grande porte, bancos de madeira e algumas floreiras. Para o largo, abre o edifício da Junta de Freguesia e este está definido por casas de habitação unifamiliar, de um e dois pisos. Adossados ao edifício, surgem alguns bancos de cantaria.

Descrição Complementar

Na TORRE SINEIRA, existem três sinos com inscrições. O sino grande: "Antonio Manoel o fes no anno de 1793"; nos outros dois: "Feito por Antonio Fernandes Amadeu em 1810" e "Joaquim Sarrilhas de Campos fes 1816". As PAREDES DA NAVE estão revestidas a azulejo de padrão policromo seiscentista, com dois níveis de padrão, o inferior um P-17-00462 (http://redeazulejo.fl.ul.pt/pesquisa-az/padrao.aspx?id=93), surgindo no superior o P-17-01064 (http://redeazulejo.fl.ul.pt/pesquisa-az/padrao.aspx?id=335). Sob o GUARDA-VENTO, surgem várias sepulturas com inscrições delidas, uma delas reconhecendo-se: "S(epultur)a DE B(altaz)ar ALVES / PAST(ra)Na DE SVA /MOLHER PAVLa DIAS / ERDEIROS F(aleceu) A 18 / DE MARÇO DE / 1615". No PAVIMENTO DA NAVE, surgem algumas sepulturas com inscrições: "S(epultur)a DE ANT(oni)o DVR / ÃO E DE SVA MO / LHER E DE SEVS E / RDEROS F(aleceu) N / O ANO DE 627" e "S(epultur)a DE EMANO / EL DIAS E / DE SVA MO / LHER E DE SE / VS (…)". A CAPELA DO SANTÍSSIMO tem na bandeira, sobre o "Agnus Dei", a inscrição: "ECCE / MENUS DEI". No topo da Capela, estrutura retabular em gesso, composta por painel central de perfil contracurvo, que enquadra o sacrário de talha pintada de branco e dourado, com a porta ornada por ostensório. Está flanqueado por quatro estípites, as interiores encimadas por açafates de flores e, ao centro, surge falso espaldar recortado, rematado por cornija e contendo a representação da pomba do Espírito Santo. Altar paralelepipédico, com o frontal decorado pelo escudo da Ordem de Malta, envolvido por acantos enrolados e por grinalda de flores. Os RETÁBULOS COLATERAIS são semelhantes, cada um deles de talha dourada, de corpo côncavo e um eixo definido por duas colunas torsas ornadas por pâmpanos, assentes em consolas, que se prolongam em arquivolta torsa, formando parte do remate, completado por seguintes de acantos e querubins, friso e pequeno espaldar curvo, interrompido por volutas, o da Epístola decorado por cruz. Ao centro, nicho de volta perfeita e moldura rendilhada, o do Evangelho com o fundo decorado por acantos e contendo mísula, sendo o oposto marcado por amplo resplendor. Altar paralelepipédico, revestido a azulejo. A CAPELA-MOR tem as paredes revestidas a azulejo de padrão policromo, o segundo registo com o P-17-00604 (http://redeazulejo.fl.ul.pt/pesquisa-az/padrao.aspx?id=74). No pavimento, quatro sepulturas: "S(epultur)a DE ANT(Oni)o BO / TO PIMINTELO / Q(ue) FOI COM(enda)dor / DESTA CO / MENDA D / A 3 DIA(s) N(ovemb)ro / 1614"; "S(epultur)a DE EM(anu)el DA SIL / VA PINTO PRIOR / QVE FOI NESTA / IGREJA TRINTA E / SETE ANNOS / E COATRO MEZ / ES FALESEO DI / A DE TODOS / OS SANTOS NA / ERA DE 1671". Na SACRISTIA DO SANTÍSSIMO, uma lápide com inscrição: "AMBROZIO PI(re)Z BARETO DEIXOV Á CÕ / FR(Ari)a DO S(antissimo) SACRAM(en)to DESTA IGREa HV / ESTIL DE TERA NO CAMPO DE VALADA / CÕ OBRIGAÇÃO DE 3 MISSAS PER / PETVAS POR SVA ALMA E DE SVA / MOLHER IZABEL NVNES PEXOTA E / HVA GALINHA EM CADA HV ANO AO VI / ZITADOR DE TOMAR A CONTA. F(aleceo) A. 24 DE FEV(errei)ro / 1616".

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Santarém)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 16 / 17 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

FUNDIDORES: António Fernandes Amadeu (1810); António Manuel (1793); Joaquim Sarrilhas de Campos (1816).

Cronologia

1302, 16 junho - apresentação do pároco Pedro Fernandes pelo prior da Ordem de São João de Jerusalém, D. Garcia Martins, e confirmada pelo bispo de Lisboa, D. João Martins de Soalhães; pertence à comenda de São João de Alporão; séc. 16 - reconstrução da igreja e feitura da pia batismal e da pia de água benta; referência à Irmandade do Corpo de Deus, sediada na igreja; 1512, 17 dezembro - cópia do compromisso da Irmandade de São Miguel e Almas, fundada em data anterior; 1522 - instituição da capela do Espírito Santo por Álvaro Pires Negrão e sua mulher, Maria Pires; 1574 - a paróquia é uma vigararia tendo anexas a igreja do Espírito Santo de Ereira e as capelas de São Gens, São Pedro, São Dâmaso e Espírito Santo; séc. 17, início - reconstrução da igreja primitiva pelo comendador de São João de Alporão, António Boto Pimentel; 1614, 03 novembro - falecimento do comendador António Boto Pimentel, sepultado na capela-mor da igreja; 1615, 18 março - falecimento de Baltazar Alves Pastrana, sepultado junto ao portal axial; 1616, 24 fevereiro - falecimento de Ambrósio Pires Barreto, que deixou uma terra em Valada e uma galinha à Irmandade do Santíssimo, com a obrigação de missas por sufrágio para si e pela sua mulher, Isabel Nunes Peixoto; 1627 - falecimento de António Durão, sepultado na nave; 1671, 01 novembro - falecimento do pároco Manuel da Silva Pinto, sepultado na capela-mor; séc. 18, início - colocação dos retábulos do altar-mor, dos altares colaterais e do altar de Nossa Senhora do Rosário; 1739 - primeiro livro de registos da Irmandade de São Sebastião; 1758, 06 abril - nas Memórias Paroquiais assinadas pelo pároco Nicolau da Silva Castro, é referido que a povoação pertence à Ordem de Malta, sendo a comenda de João Gonçalves da Câmara, com 273 vizinhos; a igreja está no meio da povoação e tem por orago Nossa Senhora da Purificação; tem cinco altares, o mor com o Santíssimo, com sacrário e as imagens de Nossa Senhora e de Santo António, sendo os demais dedicados a São Miguel, Senhor Jesus, Nossa Senhora do Rosário e do Espírito Santo; tem as Irmandades do Santíssimo, das Almas e do Rosário, esta formada por Bárbara Lopes; o pároco é vigário apresentado pelo comendador e tem de renda 150$000, contando com o pé de altar; tem um tesoureiro, apresentado pelo pároco; não sofreu danos com o terramoto; 1793 - feitura do sino grande por António Manuel; 1799 - aprovação do compromisso da Irmandade do Santíssimo por D. José Francisco Miguel António de Mendonça; 1810 - fundição de um sino por António Fernandes Amadeu; 1816 - fundição de um sino por Joaquim Sarrilhas de Campos; 1849, 14 janeiro - extinção da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário, sendo o altar entregue à Irmandade do Santíssimo; 1866 - consertos na igreja, com reforma das pinturas; reforma e adaptação da Capela do Espírito Santo, dos Negrões, a capela do Santíssimo; construção do anexo da nave do lado sul; 1869, 28 novembro - novo compromisso da Irmandade de São Miguel e Almas; 1871, 01 agosto - aprovação do novo compromisso da Irmandade de São Miguel e Almas pelo Governo Civil; 17874 - a Irmandade do Santíssimo tem 41$960 de rendimento e a de São Miguel 137$040.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em alvenaria de pedra e tijolo rebocada e caiada; modinaturas, colunas, púlpito, pavimento e pilastras em cantaria de calcário; pia batismal em brecha da Arrábida; pia de água benta em pedra de Ançã (fuste) e mármore (base e taça); caixilhos, portas, guarda-vento e coberturas de madeira; grades de ferro; pavimentos em tijoleira e cantaria; paramentos internos e painéis em azulejo tradicional; retábulos de talha pintada e dourada; coberturas em telha cerâmica.

Bibliografia

CÂNCIO, Francisco - Ribatejo Histórico e Monumental. s.l.: s.n., 1939, vol. III; PEGO, Maria Zelinda Duarte - Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Purificação de Pontével. Pontével: s.n., 1979. Texto policopiado; SEQUEIRA, Gustavo de Matos - Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Santarém. Lisboa: Academia Nacional de Belas-Artes, 1949; SIMÕES, João Manuel dos Santos - Azulejaria em Portugal no século XVII. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1971, 2 vols.; VALDEZ, José Joaquim d'Ascensão - Noticia Historica e Descriptiva da antiga villa (hoje lugar) de Pontevel. Lisboa: Typographia de J.C. d'Ascensão Almeida, 1874; VILARINHO, Estêvão de - «Confrarias de Pontével e suas festas» in A Voz de Pontével. Pontével: setembro de 1958.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, SIPA; Diocese de Santarém: Comissão Diocesana para os Bens Culturais

Documentação Administrativa

IHRU: PT DGEMN:DSARH-010/066-0003; DGLAB/TT: Memórias Paroquiais, 1758, vol. 29, n.º 217, fls. 1483 - 1486

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: 1908 / 1909 / 1910 - alterações na fachada principal: as urnas que então coroavam a fachada principal foram substituídas por pirâmides; 1944 - remoção do reboco da fachada principal e da torre sineira; desaparecimento do painel de azulejos existente na fachada; PROPRIETÁRIO / DGEMN: 1983 / 1984 / 1985 - reparação da cobertura por Fernando Branco de Almeida; 1986 - reparação dos azulejos.

Observações

Autor e Data

Paula Figueiredo 2015 (no âmbito da parceria IHRU / Diocese de Santarém)

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login