Açude da Fábrica de Fiação de Tomar

IPA.00001993
Portugal, Santarém, Tomar, União das freguesias de Tomar (São João Baptista) e Santa Maria dos Olivais
 
Açude construído no final do séc. 18, para represamento das águas do rio Nabão e seu aproveitamento energético, através de um canal que desviava a água até à fábrica de Fiação, o primeiro filatório de algodão em Portugal, utilizando este tipo de energia hidráulica.
Número IPA Antigo: PT031418110031
 
Registo visualizado 373 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Hidráulica de contenção  Açude    

Descrição

Estrutura formando uma muralha angular disposta entre as duas margens do rio, assente no fundo rochoso do leito do mesmo, formada por dois lanços desiguais com 68m e 42m de comprimento, tendo de largura na parte superior 1,64 m e na inferior 9,65 m, de altura 3,989 m, com 11 degraus a jusante. Na margem esquerda o canal que conduzia a água para a Fábrica de Fiação (v. IPA.00036143), tem 1.141 m de comprimento por 6,18 m de largura média. A entrada de água para o canal fazia-se por cinco adufas. Na margem direita, no lanço menor da muralha, duas comportas asseguravam a limpeza do açude.

Acessos

Tomar, Estrada do Prado. WGS84 (graus decimais): lat.: 39,620129; long.: -8,406914

Protecção

Categoria: MIP - Monumento de Interesse Público / ZEP, DR, 2.ª série, n.º 91 de 13 maio 2013

Enquadramento

Rural, fluvial, isolado, implantado em pleno rio Nabão, com acesso por caminho de terra batida a partir da Estrada do Prado, a cerca de 2Km saindo de Tomar. Encontra-se rodeado por pinheiros e chorões.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Hidráulica: açude

Utilização Actual

Nada a assinalar

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 18

Arquitecto / Construtor / Autor

ENGENHEIRO: Francisco Wellhouse (1790).

Cronologia

1789, 03 novembro - pedido de autorização para a compra de prédios para a construção da fábrica nova e para a construção de um açude para aplicação das águas do rio como força motriz (GUIMARÃES, 29); início da construção do açude (GUIMARÃES, 33) no local onde existia a ponte da Granja, de um só arco; 1798 - uma cheia no Nabão causa grandes estragos no açude; 1816 - a fábrica passa a ter um motor hidráulico (GUIMARÃES, 85); 1909, 22 dezembro - cheias no rio Nabão, ficando duas comportas em mau estado (ROSA, IX, 203); 1920, 04 maio - a Câmara contribuirá com 50$00 para a construção do açude da horta da fábrica de fiação, do qual se serve para mover a roda (ROSA, IX, 498); 1921, 09 maio - a fábrica de fiação vai montar o açude da sua roda hidráulica e pede subsídio, dando a cãmara 100$00 (ROSA, IX, 522); 1924, 23 março - a Fábrica pergunta se a Câmara esá disposta a pagar metade da obra do açude da roda hidráulica, dizendo esta que sim (ROSA, IX, 596); 1981, 25 setembro - Despacho de homologação da classificação como Imóvel de Interesse Público; 2012, 24 dezembro - prublicação do projeto de decisão de classificação como Monumento de Interesse Público e fixação da respetiva Zona Especial de Proteção, em Anúncio n.º 13795/2012, DR, 2.ª série, n.º 248.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria e alvenaria de pedra; comportas em ferro.

Bibliografia

FRANÇA, José-Augusto - Tomar. Lisboa: Editorial Presença, 1994; GUIMARÃES, Manuel da Silva - História de uma Fábrica - a Real Fábrica de fiação de Thomar. Santarém: Junta Distrital, 1976; ROSA, Alberto Amorim - Anais do Município de Tomar. Tomar: Câmara Municipal, 1970, vol. VI; SOUSA. João Maria de - Notícia descriptiva e histórica da cidade de Thomar. Tomar: Typographia Silva Magalhães, 1903.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

CMTomar: 2018 - obras de beneficiação no açude.

Observações

Autor e Data

Isabel Mendonça 1995

Actualização

Paula Figueiredo 2019
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login