Pelourinho de Pedrógão Grande

IPA.00001832
Portugal, Leiria, Pedrógão Grande, Pedrógão Grande
 
Pelourinho quinhentista, de bola, com soco quadrangular de quatro degraus, fuste octogonal, de onde evolui pequieno capitel e o remate, em esfera com elemento heráldico. Fuste oitavado, mas com a base de secção quadrangular, rematado por capitel troncopiramidal, encimado por esfera armilar, sobrepujada por pequena esfera.
Número IPA Antigo: PT021013020003
 
Registo visualizado 95 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição senhorial  Tipo bola

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, composta por soco quadrangular de quatro degraus, sobre o qual assenta a coluna de fuste cilíndrico liso, rematado por esfera armilar, sobrepujada por ornato cónico, sobre ábaco quadrado.

Acessos

Adro da Igreja Paroquial / Matriz de Pedrógão Grande. WGS84 (graus decimais) lat.: 39.916660; long.: -8.145174

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano, isolado, implantado no adro S. da Igreja Paroquial.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 16

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1176 - manda povoar por D. Afonso Henriques, sendo doada ao seu filho, D. Pedro Afonso, que lhe concedeu foral; 1217, Novembro - confirmação de foral por D. Afonso II; 1513, 08 Agosto - concessão de foral por D. Manuel I; provável construção do pelourinho; 1712 - é da Comarca de Tomar e tem 400 vizinhos; pertence a Tomé de Sousa, Conde de Redondo; tem juiz de fora, que também serve em Figueiró dos Vinhos, 3 vereadores, procurador do concelho, escrivão da câmara, juiz dos órfãos com o respectivo escrivão, 2 tabeliães e um meirinho; 1758, 01 Maio - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco Inácio Antunes de Carvalho, é referido que a povoação, com 170 vizinhos, é do Conde do Redondo; tem juiz ordinário, vereadores e procurador da câmara, mas não reunem em edifício próprio, por não existir.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

ALMEIDA, José António Ferreira de, Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1988; COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza, vol. III, Lisboa, Officina Real Deslandesiana, 1712; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário Artístico de Portugal, Vol. V, Lisboa, 1955; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/71841 [consultado em 20 dezembro 2016].

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 28, n.º 105, fl. 673-688)

Intervenção Realizada

Séc. 20 - arranjo do adro e zona envolvente do pelourinho.

Observações

Autor e Data

Isabel Mendonça 1991

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login