Sanatório de São Brás de Alportel / Sanatório Vasconcelos Porto / Centro de Medicina de Reabilitação do Sul

IPA.00017493
Portugal, Faro, São Brás de Alportel, São Brás de Alportel
 
Arquitectura de sáude, do séc. 20. Sanatório
Número IPA Antigo: PT050812010005
 
Registo visualizado 2205 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Saúde  Hospital  Sanatório  

Descrição

Acessos

Protecção

Enquadramento

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Saúde: sanatório

Utilização Actual

Saúde: centro de recuperação

Propriedade

Afectação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: Carlos João Chambers Ramos

Cronologia

1918, 8 Set. - Inauguração do Sanatório Vasconcelos Porto; 1928 - Projecto delineado por Carlos Chambers Ramos (1897 - 1969), com sucessivas rectificações. Nesta data o arquitecto estava a projectar, paralelamente, o Pavilhão do Rádio, integrado no Instituto Português de Oncologia (PT031106390499) situado em Lisboa; 1929, Fev.-Abr. - Carlos Ramos empreende uma viagem pela Europa na companhia do médico oncologista Marck Athias (1875 - 1946) com intuito de coligir elementos de estudo e informações técnicas para a elaboração do projecto do Instituto Português de Oncologia, em Lisboa. Trata-se da sua primeira missão de carácter oficial, para a qual foi nomeado pelo novo Governo, através da Portaria de 16 de Abril de 1928 (Diário do Governo, nº 90, de 23 de Abril de 1928), e mediante a qual pôde observar directamente a produção da nova arquitectura do racionalismo internacional, o que teve uma repercussão muito significativa na sua obra e de forma particular nos edifícios de carácter hospitalar *1); 1931 - construção do sanatório, segundo o projecto de Carlos Ramos; 1954 - Estudo das obras de ampliação pela Comissão de Construções Hospitalares; 1991 - o Sanatório Vasconcelos Porto é integrado no Hospital Distrital de Faro, passando em data posterior a funcionar como extensão do Serviço de Pneumologia daquele estabelecimento (para doentes do foro respiratório), mediante a execução de obras de manutenção; 2002, 30 Jun. - o complexo é encerrado e são iniciadas obras para sua transformação em Centro de Medicina de Reabilitação do Sul, unidade hospitalar especializada com 54 camas de internamento, hospital de dia e ambulatório, gerida em regime de parceria público-privada pelo Grupo Português de Saúde, através de contrato com o Estado português. O centro destina-se prioritariamente ao tratamento de doentes nas áreas de lesões medulares, traumatismos crânio-encefálicos e acidentes vasculares cerebrais; 2007, 6 Jun. - inauguração de uma exposição sobre o sanatório, integrada no âmbito das comemorações do 93º aniversário do concelho de São Brás de Alportel (http://www.regiao-sul.pt/noticias/noticia.php?id=73936).

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1954, Lisboa, 1955; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos Anos de 1959, 1º Volume, Lisboa, 1960; Coelho, Carlos, O papel do sanatório na luta antituberculosa (separata de O Médico, nº 592), Lisboa, 1963; COUTINHO, Bárbara dos Santos, Carlos Ramos (1897-1969): Obra, Pensamento e Acção. A procura do compromisso entre o modernismo e a tradição, dissertação Mestrado História Contemporânea, FCSH-UNL, 2001; SANTOS, Cristina Fé, O Sanatório Carlos Vasconcelos Porto, de São Brás de Alportel: contributo para o seu estudo, Gambelas, Universidade do Algarve, 2004; ELÓI, Cristina, Um Renascer do Antigo Sanatório Vasconcelos Porto. Disponível em URL: http://www.regiao-sul.pt/noticias/noticia.php?id=73936.

Documentação Gráfica

IHRU: Arquivo pessoal do arquitecto Carlos João Chambers Ramos

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSARH- ED 4413/10-12, Arquivo pessoal do arquitecto Carlos João Chambers Ramos

Intervenção Realizada

DGEMN: 1959 - Obras pelos Serviços de Construção e Conservação.

Observações

EM ESTUDO; *1 - Num contexto com pouco acesso ao debate internacional, esta viagem repercutiu-se inevitavelmente no trajecto e discurso projectual de Carlos Ramos, a partir da qual teve a oportunidade de percorrer as cidades de Madrid, Paris, Lyon, Estrasburgo, Bordéus, Bruxelas, Genebra, Heildelberg, Hermsdorf, Copenhaga, Amsterdão, Berlim. Na Holanda, por exemplo, pôde conhecer o debate do movimento De Stijl, as soluções neoplasticistas de Gerrit Thomas Ritveld (1888-1964) ou as de Johannes Pieter Oud. Teve acesso às novas edificações da arquitectura espanhola de Lluís Sert, Rafael Bergamin, aos projectos da arquitectura alemã de Walter Gropius, de Mies Van der Rohe e Bruno Taut, à estética da Deutscher Werkbund. Em França contactou pessoalmente com Tony Garnier, cujo projecto para o hospital Grange-Blanche o impressionou. Esta viagem proporcionou-lhe igualmente a congregação de uma biblioteca pessoal muito qualificada e actualizada, onde reuniu obras de grande difusão e relevo internacional: a primeira edição de Vers une Architecture (1923) de Le Corbusier; do mesmo autor os ensaios Urbanisme (1925), Almanach d'architecture moderne (1926), Une Maison-Un Palais (1928); o texto teórico Architecture (1929) de André Lurçat (1897-1970), que estabeleceu uma matriz de valores éticos, formais e conceptuais do modernismo, sendo amplamente ilustrado com as obras emblemáticas do movimento moderno: como a Maison Domino (1914), o Pavilhão De L'Esprit Nouveau da Exposição de Artes Decorativas (1925) ou a Villa Stein (1927) de Le Corbusier, o edifício da Bauhaus em Dessau (1926) e a Fábrica Fagus de Walter Gropius, a Casa Steiner (1910) de Adolf Loos, as obras de Mies Van der Rohe, Frank Lloyd Wright, Josef Gocár, Marc Stam, Mallet-Stevens, Andrei Bourov, Rietveld, Luçat. Contam-se, também, entre as aquisições desta viagem, numerosas revistas no domínio da arquitectura hospitalar, entre as quais Kranken Anstalten der Neuzeit (1924), Berätelse Över Nybygonads Arbetena vid unds Lasarett (1927/1930), Hygiene and Social Hygiene in Hamburg (1928), Hopitaux - Sanatoria - André Lurçat (1928), Der Krankenhausbau der Gegenwart (1932).

Autor e Data

Patrícia Costa 2003 / Rute Figueiredo 2007

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login