Casa da Família Moreira / Biblioteca Municipal de Ferreira do Alentejo

IPA.00016218
Portugal, Beja, Ferreira do Alentejo, União das freguesias de Ferreira do Alentejo e Canhestros
 
Arquitectura residencial, popular, vernácula, neoclássica. Palacete que segue uma tipologia constante na arquitectura regional, onde o piso térreo é constituído por dependências de arrumos, adegas, celeiros, etc. destinadas a apoio à actividade agrícola e cobertas por abóbadas, enquanto o primeiro andar se destina à habitação dos proprietários, com tectos planos de madeira. A decoração das molduras dos vãos revela o gosto neoclássico, com cornijas e friso de entrançados com elementos vegetalistas, simétricos e regulares. Destaca-se a harmonia da composição das molduras dos vãos, revelando a grande capacidade das técnicas tradicionais de decoração, nomeadamente as argamassas relevadas e pintadas, de se adaptarem às novas linguagens decorativas.
Número IPA Antigo: PT040208020012
 
Registo visualizado 113 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial unifamiliar  Casa  Palacete  

Descrição

Planta rectangular, irregular. Massa simples com cobertura homogénea em telhado de duas águas. Alçado principal a O., com embasamento de argamassa pintada, e um pano definido por cunhais, dividido em dois registos por cornija encimada por soco de argamassa, e rematado superiormente por cornija e beirado; no registo inferior rasga-se uma porta central de verga recta com moldura de cantaria chanfrada, ladeada por janelas com moldura de argamassa pintada encerradas por grades de ferro forjado; o registo superior é rasgado por três janelas de sacada, resguardadas por gradeamentos de ferro fundido e com molduras de argamassa de pequenas orelhas; a janela central é rematada pelas armas do município encimadas por cornija, e as janelas laterais são rematadas por friso entrançado delimitado por cornija; embasamento, cunhais, cornija, soco e molduras de vãos pintados a cor amarela. Alçado lateral S. semelhante ao anterior rasgando-se inferiormente três janelas idênticas às do piso térreo do alçado O.; superiormente rasgam-se três janelas de sacada em correspondência com os vãos de registo inferior, idênticas às do piso superior do alçado O.. INTERIOR: acesso por átrio de planta quadrangular coberto por abóbada de aresta, abrindo-se em cada uma das paredes laterais uma porta e na parede fronteira um arco em asa de cesto que abre para a escadaria de desenvolvimento longitudinal e degraus de cantaria, ladeado por duas portas estreitas em arco de asa de cesto; as restantes divisões do piso térreo são cobertas por abóbadas de aresta. O piso superior articula-se em torno de um átrio que se desenvolve à volta da escadaria, resguardada por gradeamento de ferro forjado; no topo O. abre-se uma porta que conduz a uma sala com duas janelas de sacada viradas a O., com paredes decoradas por molduras de estuque, tendo a S. uma sala mais pequena com uma janela virada a O. e outra virada a S.; na parede N. do átrio abrem-se três portas que conduzem a três compartimentos, dois interiores e um com uma janela virada a E.; no lado S. do átrio abrem-se duas portas que conduzem a uma ampla sala com duas janelas viradas a S.; neste piso todos os tectos são de madeira do tipo de saia e camisa e as portas de duas folhas com bandeira envidraçada.

Acessos

Rua Conselheiro Júlio de Vilhena, n.º 2

Protecção

Categoria: IM - Interesse Municipal, Deliberação da Assembleia Municipal de Ferreira do Alentejo de 13 novembro 2002 (Aviso n.º 7515/2003, DR, 2.ª série, n.º 225, Apêndice, n.º 147, de 29 setembro 2003) *1

Enquadramento

Urbano, formando o gaveto de uma frente de rua e tendo adossado a N. a Casa dos Morgados da Apariça (v. PT040208020011); as fachadas O. e S. abrem para rua calcetada a pedra irregular de basalto.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa

Utilização Actual

Cultural e recreativa: biblioteca

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

séc. 16 - portal; séc. 19, inícios - construção; 1879 - instalação da Câmara Municipal; 1960 - instalação do Tribunal; 1998, 07 de Março - inauguração das novas instalações do Tribunal Judicial (v. PT040208020026) que deixa de funcionar no edifício.

Dados Técnicos

Estrutura mista

Materiais

Paredes de alvenaria de pedra e cal, rebocadas e caiadas, portal com moldura de cantaria, gradeamentos de ferro forjado, caixilharias de madeira, coberturas em telha de canudo, tectos em abobadilhas de tijolo e forros de madeira do tipo de saia e camisa, rebocadas e caiadas, pavimentos de mosaico hidráulico e tacos de madeira.

Bibliografia

ESPANCA, Túlio, Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Beja, Lisboa, 1992.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

*1 - DOF: "Palacete Oitocentista, sito na Rua de Júlio de Vilhena".

Autor e Data

Ricardo Pereira 2000

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login