Alpendre de Feira em Castelo Mendo

IPA.00001580
Portugal, Guarda, Almeida, União das freguesias de Castelo Mendo, Ade, Monteperobolso e Mesquitela
 
Arquitectura comercial, vernácula. Alpendre de feira de cariz popular, apresentando planta rectangular simples com cobertura em telhado de duas águas. Alpendre duplo, dotado de bancada apenas num dos lados. Sustentação do telhado através de estacas em madeira.
Número IPA Antigo: PT020902080024
 
Registo visualizado 234 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Comercial  Alpendre de feira    

Descrição

Planta rectangular simples, formando volume único coberto com telhado de duas águas. Estrutura composta por parede central, o que permite a organização de um alpendre de cada lado. O alçado principal, orientado a SO., apresenta bancada corrida composta por blocos de granito, sobre a qual se apoiam as estacas de madeira que sustentam o telhado. No lado oposto (NE.) as estacas assentam directamente sobre o solo, já que não possui bancada. Alçados laterais cegos com empena angular. Pavimento térreo.

Acessos

Devesa, Campo da Feira

Protecção

Incluído na Zona de Protecção da Aldeia de Castelo Mendo (v. PT020902080007)

Enquadramento

Peri-urbano. Ergue-se isolado ao cimo da Devesa, junto à estrada de acesso à Vila (v. PT020902080007). Um pouco abaixo, a meia encosta, observa-se o Chafariz d'El Rei (v. PT020902080025). No lado oposto, num rochedo sobranceiro ao caminho, situa-se um cruzeiro (v. PT020902080042).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Comercial: alpendre de feira

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 13 / 14 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1229 - concessão de carta de foral por D. Sancho II, onde se estabelece a realização de uma feira, pela Páscoa, São João e São Miguel, com a duração de oito dias. No foral institui-se também a realização de um mercado de pão, carne e peixe no Castelo; é considerada a primeira feira oficial do Reino, dado que se diferencia nitidamente do mercado (RAU, 1983). Porém, desconhece-se o local exacto da feira neste período, sugerindo-se a hipótese de decorrer na Rua da Praça, junto às Portas da Guarda; 1281 - possível transferência do local da feira para a Devesa (NEVES, 1993); a construção do alpendre nesta época apenas se coloca como hipótese de trabalho; 1758 - as denominadas Memórias Paroquiais referem que já não é costume "fazer feira", pelo que se aponta esta data como baliza para o processo de degradação do imóvel; 1996 - encontrava-se em ruínas, desprovido de cobertura e madeiras.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes.

Materiais

Granito, alvenaria, revestimento inexistente; madeira; telha de canudo.

Bibliografia

Dicionário Geographico de Portugal, (Memórias Paroquiais), 1758; SILVA, José Antunes e FERNANDES, José Manuel, Castelo Mendo, Estudo de Recuperação Urbana e Arquitectónica, Lisboa, 1979; RAU, Virgínia, Feiras Medievais Portuguesas, Subsídios para o seu Estudo, 2ª ed., Lisboa, 1983; RAU, Virgínia, Feiras, in SERRÃO, Joel, dir., Dicionário de História de Portugal, Porto, 1984, vol. II, pp. 539 - 542; NEVES, Vítor Manuel Leal Pereira, Três Jóias Esquecidas, Marialva, Linhares e Castelo Mendo, Castelo Branco, 1993; CARVALHO, Amorim de, Castelo Mendo, um Conjunto Histórico a Preservar, Braga, 1995.

Documentação Gráfica

CMAlmeida

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; CMAlmeida

Documentação Administrativa

CMAlmeida

Intervenção Realizada

CMAlmeida: 1997 - reconstrução do alpendre, consolidação estrutural das paredes, construção da estrutura em madeira que sustenta a cobertura, assentamento de telha nova.

Observações

Autor e Data

Margarida Conceição 1997

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login