Igreja Paroquial de Alcafache / Igreja de São Vicente

IPA.00014528
Portugal, Viseu, Mangualde, Alcafache
 
Arquitectura religiosa.
Número IPA Antigo: PT021806020045
 
Registo visualizado 221 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Acessos

Protecção

Enquadramento

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Viseu)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Arquitecto / Construtor / Autor

CAIADOR: Torcato Duarte Pereira (1887). ESCULTOR: Manuel Ribeiro (1793). PEDREIRO: José Duarte (1785). PINTOR-DOURADOR: José Joaquim Ricardo (1891-92)

Cronologia

1574 - a igreja pertence ao padroado real e integra o território da Diocese de Viseu; 1774 - segundo o visitador da Universidade de Coimbra, o edifício era muito humilde e tão arruinado que já o povo cuidava em reedificar o corpo da Igreja, e já pela Junta se expediram as ordens para, por sua conta, se fazer de novo a capela-mor e sacristia; as casas de Residência eram reformadas de novo, amplas e bem repartidas, porém como todas as madeiras eram de pinho sem cerne algum, prometiam pouca duração e já a varanda se achava arruinada; 1775, 1 Maio - a Igreja era uma abadia do Padroado Real pedida por D. José e concedida por bula de Pio VI para que a abadia se reduzisse a vigaria e as suas rendas a excepção do que se destinou para sustentação do pároco, se unissem para sempre ao Real Colégio das Artes da Universidade de Coimbra para melhor poder sustentar as despesas do seu instituto; pertencem pois ao Colégio todos os dízimos da sua freguesia eo direito de padroado; 1785 - José Duarte arrematou as obras de pedraria da nova igreja; 1793, 14 Agosto- o escultor Manuel Ribeiro desistiu da arrematação de toda a obra de carpintaria, recebendo pela obra que já efectuara; 1887, 29 Maio - Torcato Duarte Pereira arrematou a obra de caiação da igreja e torre, posta a pregão pela Irmandade do Santíssimo Sacramento da mesma, pela quantia de 104$380; obrigava-se a caiar a torre e igreja, olear as porcas dos sinos, arranjar os telhados e rectificar algerozes, caiar o interior da igreja e abóbada, betumar e pintar de verde as portas, os confessionários, estes de amarelo e azul claro, limpeza das cornijas; 1891, 25 Janeiro - José Joaquim Ricardo, matural de Folques, arrematou o douramento e pintura do retábulo-mor, por 200$000; 1892, 17 Janeiro - o mesmo foi contratado para pintar e dourar o camarim, por 45$000.

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

Dicionário enciclopédico das freguesias, vol. III, Matosinhos, 1997, p. 582; ALVES, Alexandre, Artistas e Artífices nas Dioceses de Lamego e Viseu, vols. I e II, Viseu, 2001; SERRÃO, Joaquim Veríssimo - Livro das Igrejas e Capelas do Padroado dos Reis de Portugal - 1574. Paris: Fundação Calouste Gulbenkian Centro Cultural Português, 1971.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

AUC: Igrejas da Universidade de Coimbra, Tomo II, Cota - Depósito 14, Secção 8. E, Estante 5, Tabela 9, Nº. 560

Intervenção Realizada

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Paula Figueiredo 2002

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login