Pelourinho de Castelo Bom

IPA.00001364
Portugal, Guarda, Almeida, Castelo Bom
 
Pelourinha quinhentista, de gaiola, com soco quadrangular de dois degraus e fuste octogonal. Os fragmentos remanescentes, soco e fuste, se encontram espalhados na freguesia, com o primeiro integrado nos degraus da igreja e o fuste a sustentar o alpendre de casa particular.
Número IPA Antigo: PT020902070002
 
Registo visualizado 309 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição régia  Tipo gaiola

Descrição

Fragmento de pelourinho, em cantaria de granito, composto por soco quadrangular, de dois degraus e fuste octogonal.

Acessos

EN 16 - Cruzamento de Castelo Bom, à entrada (fuste); na Rua Direita, no Adro da Igreja (soco)

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto, nº 23 122, DG, 1ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano, integrado em estrutura de habitação (fuste) e nos degraus de acesso à igreja, o soco.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Privada: pessoa singular / Privada: Igreja Católica

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 12 - Provável concessão de carta de foral ou carta de povoação por D. Afonso VIII de Leão; 1296 - concessão de carta de foral por D. Dinis; 1297 - incorporação no reino de Portugal; 151O - renovação da carta de foral por D. Manuel, incluindo no seu termo as seguintes freguesias: Freineda, Naves, São Pedro de Rio Seco e Vilar Formoso; provável construção do pelourinho, no Largo da Igreja; 1758, 22 Abril - nas Memórias Paroquiais é referido que a povoação, com 96 vizinhos, é do rei, tendo como alcaide-mor o Visconde de Ponte de Lima; tem juiz ordinário, 2 vereaodres, um procurador, escrivão da câmara e 2 tabeliães; 1834 - extinção do concelho e sua integração no município de Almeida; séc. 19, meados - período hipotético de desmantelamento do pelourinho e reaproveitamento de alguns dos seus fragmentos em construções particulares; segundo a tradição local parte do fuste da coluna foi reaproveitado como pilar do balcão alpendrado da casa do Sr. Lourenço; restaria ainda parte do tecto da gaiola (F. K. Amaral e J. A. Silva), mas cujo paradeiro se desconhece, e parte do soco (MALAFAIA).

Dados Técnicos

Sistema estrutural portante.

Materiais

Fragmentos em cantaria de granito.

Bibliografia

AMARAL, Francisco Keil do e Silva, José Antunes, Plano de Salvaguarda de Castelo Bom, Lisboa, 1987; BARROCO, Manuel Joaquim, Panoramas do Distrito da Guarda, Guarda, 1978; LEAL, Pinho, Portugal Antigo e Moderno, Lisboa, 1873; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 10, n.º 214, fl. 1379-1388)

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

Autor e Data

Margarida Conceição 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login