Ermida de São João da Venda

IPA.00001204
Portugal, Faro, Loulé, Almancil
 
Arquitectura religiosa, quinhentista. Primitiva ermida ampliada no séc.16 em segundo os formulários góticos, a igreja mantém a estrutura quinhentista de nave única com duas capelas colaterais, capela-mor e sacristia a E., com abóbada nervurada na capela-mor com pedra de fecho, rematada por cachorrada pendente. Retábulo-mor maneirista em talha dourada . Capela-mor com cobertura em abóbada de cruzaria de ogivas assente em mísulas.
Número IPA Antigo: PT050808010013
 
Registo visualizado 113 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Capela / Ermida  

Descrição

Planta longitudinal composta por nave, capela-mor, sacristia a E. e anexos a O.; volumes escalonados dispostos na vertical com cobertura em telhado de duas águas para nave, quatro águas rematadas por pináculos para capela-mor e uma água para anexos a O. e sacristia a E.. Fachada principal a S. de dois panos definidos por cunhal: pano principal caracterizado por dois registos; inferior por portal de cantaria de verga recta rematado por cornija e ladeado por dois túmulos; superior definido por janelão gradeado de cantaria recta com cornija, e remate em empena, finalizado com cruz de pedra ao centro sobre pedestal, pano ladeado a E. por sineira de vão único; segundo pano a O. definido por portal de cantaria de verga recta com cornija e platibanda. Fachada lateral E. com escadaria de acesso à sineira quadrangular, porta de cantaria de verga recta de acesso ao interior e volume da sacristia com pequena janela de cantaria a N.. Fachada lateral O., correspondendo aos anexos, caracterizada por duas dependências definidas por cunhal: 1ª composta por dois pisos com pequena janela rectangular e porta de cantaria de verga recta sobrepostas por janela rectangular de cantaria recta; 2ª com acesso por 10 degraus a N. e piso térreo a S., caracterizada por porta e três janelas em cantaria de verga recta. Fachada N. correspondendo ao volume quadrangular da capela-mor, cega, contrafortada a O., rematada por cornija, encimada por 7 pináculos em redor do telhado e 1 pináculo central onde assenta uma cruz de ferro. INTERIOR: amplo, nave rectangular, cobertura em masseira, iluminada por janelão sobre portal. Lado da Epístola: porta para exterior e arco pleno de alvenaria, embebido na parede. Lado do Evangelho: dois arcos de alvenaria em volta perfeita, embebidos na parede o1º com pequena mesa de altar em madeira policroma. Arco triunfal de volta perfeita e de cantaria, caracterizado por coluna dupla, de dois colunelos laterais, com base e plinto hexagonal rematados por capitel toscano. Capela-mor quadrangular, porta para a sacristia do lado direito, com cobertura em abóbada de cruzaria de ogivas, com pedra de fecho, assente em mísulas; mesa de altar em madeira polícroma, frontão de altar em madeira e retábulo em talha dourada de três registos definidos por entablamento: no primeiro registo, friso com pequeno sacrário, com decorações em almofadas de motivos geométricos e espiralados; no segundo, nicho concheado ladeado por duas telas, definindo três panos subdivididos por pilastras caneladas a 2/3, rematado no entablamento por decorações em almofada, com cabeça de anjo ao centro rodeado por asas e motivos espiralados; no terceiro registo, frontão de três panos divididos por pilastras e três telas. Sacristia quadrangular iluminada por pequena janela quadrangular virada a N..

Acessos

Rua João Pires Pinto, na rotunda, no final S. da rua, tomar a via da direita, prosseguir por 77m e virar de novo à direita; a ermida fica a c. de 30m, num pequeno largo.

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Peri-urbano, isolado, junto à EN 125; delimitada por adro; edifícios de habitação a E. de piso térreo.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: capela

Utilização Actual

Religiosa: capela

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese do Algarve)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

Séc. 16, inícios - primeiras referências documentais nas Visitações da Ordem de Santiago; era então simples ermida dependente da Igreja Matriz de Santa Maria de Faro; Séc. 16, 2ª metade - construção de um novo templo, pertencente ao termo de Faro; séc. 16, finais - construção do retábulo; séc.17, 2ª metade - é matriz da freguesia; 1681 - passa a ter pároco residente por decisão do Bispo D. José de Meneses; 1849 - deixa de ser matriz da freguesia, passando esta para a Igreja de São Lourenço de Almansil (v. PT050808010006); séc. 20, finais - remodelada, 2009, 23 outubro - o processo de classificação caduca nos termos do artigo 78.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes (nave) e estrutura mista (capela-mor)

Materiais

Alvenaria, telha, madeira nas portas, tecto, mesa de altar e retábulo-mor em talha

Bibliografia

LAMEIRA, Francisco, Inventário Artístico do Algarve- A Talha Imaginária, vol. VIII, Faro, 1991; OLIVEIRA, Ataíde, Monografia do Concelho de Loulé, Faro,1998.

Documentação Gráfica

CML

Documentação Fotográfica

DGEMN: DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1990, década de - obras de restauro; C.M.Loulé / Fábrica da Igreja Paroquial: 2004 - obras de recuperação.

Observações

Autor e Data

Patrícia Viegas 2000

Actualização

Paulo Sande (Contribuinte externo) 2013
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login