Paço de Nespereira

IPA.00001065
Portugal, Braga, Guimarães, Nespereira
 
Casa seiscentista e setecentista, de planta composta por corpos cronologicamente díspares, realizando a transição entre a chamada casa-torre (casa senhorial constituída por uma ala residencial adossada a uma torre), esquema com origem na Idade Média e que se manteve até ao séc. 16, com corpos reedificados no séc. 18 transformando-o para um esquema de U fechado.
Número IPA Antigo: PT010308320068
 
Registo visualizado 406 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial unifamiliar  Casa    

Descrição

É composto por uma estrutura básica de planta em U que integra a torre orientada a S. Casa de dois pisos, em que o primeiro seria ocupado por "lojas" (adega, celeiros, etc.) e o segundo por dois compartimentos. Adossa-se uma torre de três pisos, e teria sido coberta por um telhado de quatro águas assente numa cornija característica da época e com uma gárgula central ao centro de cada uma das faces e mais quatro em cada cunhal. Os lados do U são formados por dois corpos de um piso. Adossada à casa está a escada de acesso que conduz a um alpendre. A fechar o U, portão coroado, já sem merlões nem pedra d'armas. À saída do terreiro do Paço encontra-se uma eira com anexos agrícolas.

Acessos

EN 310 (Guimarães - Porto), desvio em Nespereira para a Urbanização da Igreja, seguir a Av. da Igreja voltando à esquerda no final. O paço de Nespereira surge à esquerda a c. de 500 mts.

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Rural, isolado, delimitado por muro de vedação; patente ainda, apesar do estado de ruína em que o imóvel se encontra, alguma relação de destaque com a envolvência.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa

Utilização Actual

Devoluto

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Época Construção

Séc. 16 / 17 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

1538 - D. João III dá carta d'armas a Pedro Cardoso do Amaral, contador-mor do Reino; séc. 16, 2ª metade - edificação, datável designadamente pela data existente no escudo do portal de acesso (1560); séc. 19, princípios - o solar conservava ainda as feições primitivas; 1886 - foi concedido o título de visconde de Paço de Nespereira a Gaspar Lobo de Sousa Machado e Couros, casado com a herdeira do morgadio, D. Maria Amélia do Carmo de Menezes, filha do primeiro visconde de Pindela e de D. Maria Amélia Barreto do Amaral.

Dados Técnicos

Paredes autoportante.

Materiais

Paredes de alvenaria de granito aparente.

Bibliografia

GAMA, Arnaldo, O segredo do Abade, 1864; Guia de Portugal, Entre Douro e Minho, Lisboa, 1986; AZEVEDO, Carlos de, Solares Portugueses, Lisboa, 1989.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGEMN, DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

Em "O segredo do Abade", Arnaldo Gama percorre quatro freguesias do Concelho de Guimarães, Gandarela, Serzedelo, Guardizela e Nespereira. Modificando a realidade, Arnaldo Gama descreve da seguinte forma o Paço de Nespereira: "... O solar de Nespereira era um dos poucos que ainda, no princípio deste século, conservavam as feições primitivas. Era uma grande torre quadrada, feita de paralelogramos uniformes de granito, nus e denegridos pelo bafo dos séculos. Apegado a ela corria, para o sul, um comprido casarão ameado e construído dos mesmos paralelogramos de granito, igualmente nus e denegridos. Na frente principal abriam-se em fileira dez ou doze janelas estreitas e pontiagudas, e um portão baixo, não muito largo, e com a parte superior também terminada em ponta (...) Na torre (...), havia também janelas muito semelhantes às do paço e muitos seteiras (...)". Em Nespereira consta existirem vários marcos de delimitação do concelho de Barcelos.

Autor e Data

João Santos 1996

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login