Igreja Paroquial de Maçainhas / Igreja de Nossa Senhora da Conceição

IPA.00010122
Portugal, Castelo Branco, Belmonte, Maçainhas
 
Arquitectura religiosa, seiscentista, barroca e revivalista. Igreja paroquial de planta longitudinal composta por nave, capela-mor mais estreita, sacristia e baptistério adossados à fachada lateral esquerda, com coberturas interiores em falsas abóbadas de berço de madeira, iluminada por amplas janelas que se rasgam na fachada lateral direita, datáveis do séc. 19. Fachada principal em empena, com os vãos rasgados em eixo, composto por portal de verga recta e moldura simples, e por janelão com os extremos curvos, de feitura barroca. Fachadas rematadas por friso e cornija, a lateral direita rasgada por porta travessa de verga recta. Interior com coro-alto de madeira, assente em colunas contendo pias de água benta, com acesso pelo exterior, revelando uma feitura tardia, com baptistério adossado ao lado do Evangelho. Arco triunfal de volta perfeita, assente em pilastras toscanas, flanqueado por retábulos colaterais, de talha pintada e dourada, o do Evangelho tardo-barroco e o oposto revivalista neo-gótico. Capela-mor com retábulo revivalista neo-gótico, de planta convexa e três eixos. Junto à igreja, o campanário isolado, em cantaria, apresentando vários registos definidos por cornijas e rematado por sineira de volta perfeita.
Número IPA Antigo: PT020501050016
 
Registo visualizado 153 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal, composta por nave, capela-mor, baptistério, sacristia e capela mortuária adossados à fachada lateral esquerda, de volumes articulados e disposição horizontalista, com coberturas diferenciadas em telhados de duas águas na nave, esta prolongada em aba sobre a sacristia, e capela-mor e de uma água no baptistério. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, rematadas em friso e cornija, apenas em cornija na sacristia. Fachada principal virada a O., em empena, alteada relativamente ao remate, apresentando cruz latina no vértice, flanqueada por cunhais apilastrados, encimados por pináculos piramidais. É rasgada por portal de verga recta, com moldura simples de cantaria e remate em cornija, tendo acesso por escadaria de três a quatro degraus, adaptando-se ao desnível do terreno; encontra-se encimado por janelão com os extremos curvos e protegido por grades metálicas. No lado esquerdo surge a inscrição: "M - S / MAÇAINHAS / ANNO DE 1906"; no lado oposto, lápide de mármore com a inscrição: "VISITA DA IMAGEM PEREGRINA DE 16 A 22 DO 1 DE 1989". Fachada lateral esquerda, virada a N., marcada por vários corpos adossados, o da sacristia rasgado por duas portas de verga recta e por janela rectilínea. No lado esquerdo, surgem, perpendiculares à fachada, escadas de acesso ao coro-alto, em cantaria e guardas metálicas, que liga a porta de verga recta e moldura simples. Fachada lateral direita, virada a S., rematada por cornija em papo de rola, rasgada por duas janelas rectilíneas na nave e uma terceira na capela-mor; as primeiras centram porta de verga recta, com acesso por escadas de granito de três degraus. Sobre a porta, surge, em pintura degradada, painel com cruz e a inscrição "JUBILEU ANO 2000". Fachada posterior em empena, com cruz latina no vértice e registo de azulejo com a representação de Nossa Senhora da Conceição. INTERIOR rebocado e pintado de branco, percorrido por azulejo de padrão monocromo, azul sobre fundo branco, formando silhar, com pavimento de ladrilho e corredor central granítico, tendo cobertura em falsa abóbada de berço de madeira encerada, assente em cornija do mesmo material e com tirantes metálicos; no centro, possui painel rectangular, pintado com a representação de Nossa Senhora da Conceição. Coro-alto de madeira, assente em duas colunas de granito, integrando pias de água benta hemisféricas e assentes em plintos tronco-piramidais. O portal está protegido por guarda-vento de madeira e vidro, surgindo, no sub-coro, dois confessionários de madeira, confrontantes, rematados por cornija e frontão angular. No lado do Evangelho, baptistério com acesso por arco de volta perfeita com moldura de cantaria e juntas preenchidas a cimento, com cobertura em abóbada de berço e pavimento em lajeado de granito, com o fundo revestido a azulejo monocromo, azul sobre fundo branco, representando o "Baptismo de Cristo" e envolvido por acantos. No lado do Evangelho, nicho rectilíneo para alfaias, protegido por porta de madeira. Contém pia baptismal em cantaria, com bacia hemisférica, assente em pilar cilíndrico e plinto em toro, sobre pequena plataforma rectangular. Ainda no lado do Evangelho, porta de verga recta e moldura simples, de acesso à sacristia, e altar votivo, inserido em nicho de volta perfeita, assente em cornija, contendo painel de perfil curvo, rodeado por moldura de marmoreados e fecho volutado. A este sucede-se pequena fresta em capialço, que abre para a sacristia. Arco triunfal de volta, assente em pilastras toscanas, encimado por nicho de perfil abatido. É ladeado por dois retábulos colaterais, assentes em degrau de cantaria, formando um pequeno presbitério, de talha pintada e dourada, dedicados a Nossa Senhora do Rosário (Evangelho) e Sagrado Coração de Jesus (Epístola). Junto ao arco triunfal, atril de madeira pintada e dourada. Capela-mor com paredes e cobertura semelhantes aos da nave, tendo pavimento em lajeado de granito, revestido a alcatifa vermelha. Sobre supedâneo de dois degraus, retábulo-mor de talha pintada de branco, azul e dourado, de planta convexa e três eixos definidos por quatro colunelos finos, assentes em mísulas e encimados por pináculos piramidais, com decoração rendilhada; nos eixos, nichos em arco apontado com os fundos pintados de azul, o central mais amplo e contendo trono expositivo de três degraus. Cada um dos eixos remata em empena aguda, ornada por falsos óculos com decoração rendilhada. Altar de granito com frontal de madeira, à frente do qual surge a mesa de altar, em cantaria de granito, composta por tampo e por dois pilares. No lado do Evangelho, porta de verga recta, de acesso à sacristia. Esta está rebocada e pintada de branco, percorrida por azulejos semelhantes aos do templo, com tecto plano, rebocado e pintado de branco, e pavimento em ladrilho cerâmico, tendo vestígios de uma pilastra. Junto à fachada lateral esquerda, surge o campanário, isolado, em cantaria de granito aparente, de aparelho isódomo, com três registos divididos por cornija, os dois inferiores cegos e o superior rasgado por sineira de volta perfeita, rematada por cornija e por dois pináculos, que centram plinto paralelepipédico. O acesso processa-se por escadas na face posterior. Possui, na sineira, a data "1826".

Acessos

Rua da Igreja

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, isolado, integrando um pequeno largo situado no centro da povoação, o qual apresenta um ligeiro declive, pavimentado a cubos de granito. Junto à fachada lateral direita, ergue-se um pequeno jardim, composto por canteiros de buxo, que forma, a inscrição: "MAÇAINHAS / SAUDA-VOS 1993", várias árvores e bancos de jardim. Junto, um carro eléctrico, a actual biblioteca. Em frente, situam-se o edifício da Junta de Freguesia de Maçainhas e o da Estação de Correios.

Descrição Complementar

Retábulo de Nossa Senhora do Rosário de planta convexa e um eixo definido por duas colunas de fuste liso, assentes em plintos galbados, que sustentam fragmentos de frontão, encimados por anjos de vulto. Ao centro, nicho contracurvado com o fundo pintado de azul, contendo plinto. Remate em espaldar contracurvado e ornado por resplendor de querubins. Altar em forma de urna, com painel central marmoreado e ornado por elementos fitomórficos. Retábulo do Sagrado Coração de Jesus de planta recta e um eixo, definido por dois colunelos encimados por pináculos piramidais e com decoração rendilhada; possui nicho em arco apontado com o fundo pintado de azul, contendo plinto paralelepipédico. Remate em empena angular, decorado por falso óculo rendilhado e por enorme cruz latina.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese da Guarda)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1320, 23 maio - bula do Papa João XXII concedendo a D. Dinis, por três anos, para subsídio de guerra contra os mouros, a décima de todas as rendas eclesiásticas do reino, sendo a igreja taxada em 130 libras; integra o termo de Belmonte e o bispado da Guarda; 1321 - jem a invocação de Santa Maria, anexa à de Santa Maria de Belmonte, mas pertencente à Ordem de Cristo; séc. 17 - alteração do orago para Nossa Senhora da Conceição; obras no imóvel; 1623 - primeiro registo de óbito; 1627 - primeiro registo de baptismo; 1670 - primeiro registo de casamento; 1712 - o Padre Carvalho da Costa refere que a freguesia tinha 60 vizinhos; 1758 - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo cura Manuel Pires Soares, referência à igreja como estando fora do lugar, com quatro altares, o mor, Menino Jesus, Nossa Senhora do Rosário, Santo António, com Irmandade das Almas; o cura era da apresentação de Santa Maria de Belmonte, tendo de rendimento, pago pelo comendador, 40 alqueires de centeio, 5 meios alqueires de trigo, 5 de vinho, 25 arratéis de cera branca, um de incenso e 7$000 réis; séc. 18 / 19 - provável construção do actual imóvel, com reforma da fachada principal e execução do retábulo colateral do Evangelho; 1826 - data do campanário; 1834 - curato anexo a Santiago de Belmonte; 1906 - data na fachada pode indiciar o período de reforma do imóvel, com abertura de novos vãos e feitura dos retábulos mor e colateral da Epístola; 1989 - visita da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima, conforme lápide na fachada principal; 1993 - arranjo da zona ajardinada, junto à fachada lateral direita.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante.

Materiais

Estrutura em alvenaria de granito, rebocada; pilastras, frisos, cornijas, pavimentos, cruzes, pináculos, arco triunfal, colunas do coro-alto, pia baptismal, modinaturas em cantaria de granito; retábulos, coberturas, portas de madeira; porta travessa metálica; caixilharias metálicas; janelas com vidro simples; coberturas em telha; silhares em azulejo industrial.

Bibliografia

BIGOTTE, Padre José Quelhas, O Culto de Nossa Senhora na Diocese da Guarda, 1948; Inventário Colectivo dos Registos Paroquiais, vol. I, Lisboa, 1993; COSTA, P. António Carvalho da, Corografia Portugueza..., 2.ª ed., tomo II, Braga, 1868 [1.ª ed. de 1712]; GONÇALVES, Catarina Valença, A Pintura Mural em Portugal: os casos da Igreja de Santiago de Belmonte e da Capela do Espírito Santo de Maçainhas, [dissertação de Mestrado na Faculdade de Letras de Lisboa], 2 vols. Lisboa, Março de 2001; MARQUES, Manuel, Concelho de Belmonte - Memória e História, Belmonte, 2001.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 22)

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: séc. 20, 2.ª metade - tratamento de rebocos e pinturas; tratamento das coberturas.

Observações

Autor e Data

Paula Figueiredo 2006

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login